“Hipster da Federal” deve ser candidato a deputado em 2018

A operação Lava Jato já produziu cerca de 30 pré-candidaturas para as eleições do ano que vem Por Jornal GGN  A operação que...

697 0

A operação Lava Jato já produziu cerca de 30 pré-candidaturas para as eleições do ano que vem

Por Jornal GGN 

A operação que nasceu com o objetivo de derrubar a classe política instalada no poder – no caso, o governo petista de Dilma Rousseff – produziu alguns frutos interessados nas eleições de 2018. Oficialmente, nas contas da Federação Nacional dos Policiais Federais, a Fenapef, já são 24 os pré-candidatos ligados à instituição em 18 Estados. Mas a Folha desta segunda (13) afirma que o número de agentes da PF com pretensões eleitorais gira em torno de 30 nomes.

Entre eles está a figura consagrada por acompanhar a prisão de Eduardo Cunha, o chamado Hipster da Federal. O agente Lucas Valença, também conhecido como Lenhador da Federal, pensa em ser deputado, afirma o jornal.

Outro nome que está aguardando definição sobre um cargo na Câmara é Newton Ishii, conhecido como Japonês da Federal. Ele já foi condenado em última instância por facilitação de contrabando e, por causa disso, a Fenapef já consultou dois escritórios especializados em legislação eleitoral para saber como ele pode se livrar da Lei da Ficha Limpa.

Folha escreveu que “curiosamente”, o Paraná, berço da Lava Jato, é o Estado que deve lançar mais concorrentes, sendo cinco delegados e agentes até agora. Mas não revelou o nome de ninguém que tenha trabalhado diretamente no núcleo próximo de Sergio Moro, com exceção do Japonês.

O diário não especula sobre candidatura de procuradores como Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, que não descartam, em entrevistas, um cargo público.

Bancada da bala

Na avaliação do jornal, o sucesso de candidaturas de federais só inflará a bancada da bala, porque a maior parte desses postulantes “comunga da ideia de que é preciso facilitar o acesso do cidadão às armas de fogo”.

O jornai ainda citou o nome de parlamentares que pretender surfar no sucesso midiático da Lava Jato, como o deputado Fernando Francischini, que promete usar a operação como mote de campanha em 2018.



No artigo