PGR pede condenação de Gleisi e perda de mandato e PT responde: “acusação falsa e perseguição”

Executiva Nacional do PT classificou como “totalmente falsa” a denúncia contra a senadora Gleisi Hoffmann e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, feita pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

1127 0

Executiva Nacional do PT classificou como “totalmente falsa” a denúncia contra a senadora Gleisi Hoffmann e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, feita pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Da Redação*

A Comissão Executiva Nacional do PT criticou a denúncia feita pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, nesta sexta-feira (24), contra a senadora e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.

Em nota à imprensa, o PT classificou a denúncia como “totalmente falsa”. “O Ministério Público montou a denúncia com base exclusivamente em delações contraditórias de réus interessados em obter benefícios penais, sem apresentar nenhuma prova, o que é contra a lei”, diz o partido.

A Executiva do PT disse também que a defesa de Gleisi e Paulo Bernardo demonstrou e até o Ministério Público reconheceu, no processo, que os delatores não foram capazes sequer de dizer como, quando e onde teriam sido realizados os supostos e inexistentes pagamentos.

“A violência cometida contra a presidenta Nacional do PT mostra, mais uma vez, a perseguição contra o partido e suas lideranças, movida por setores do sistema judicial e da mídia”, diz o PT.

Gleisi e Paulo Bernardo são acusados de receber R$ 1 milhão para a campanha da senadora em 2010, com base em delações premiadas do doleiro Alberto Youssef. Na manifestação, a última fase do processo antes da sentença, Raquel Dodge pede que os dois sejam condenados ao pagamento de R$ 4 milhões de indenização aos cofres públicos, valor quatro vezes maior que o montante que teria sido desviado da Petrobras.

Nota do PT na íntegra:

Acusações contra Gleisi são falsas e mostram perseguição ao PT

1) São totalmente falsas as acusações feitas contra a senadora Gleisi Hoffmann na Ação Penal que ela responde junto com o ex-ministro Paulo Bernardo.

2) O Ministério Público montou a denúncia com base exclusivamente em delações contraditórias de réus interessados em obter benefícios penais, sem apresentar nenhuma prova, o que é contra a lei.

3) A defesa demonstrou e até o Ministério Público reconheceu, no processo, que os delatores não foram capazes sequer de dizer como, quando e onde teriam sido realizados os supostos e inexistentes pagamentos.

4) As alegações finais da Procuradoria-Geral da República repetem os mesmos vícios da denúncia original, infundada e arbitrária.

5) O processo sem lastro montado contra a senadora e o ex-ministro será desmontada nas alegações finais da defesa ao STF.

6) A violência cometida contra a presidenta Nacional do PT mostra, mais uma vez, a perseguição contra o partido e suas lideranças, movida por setores do sistema judicial e da mídia.

7) O PT seguirá lutando pelas grandes causas do Brasil, pelo restabelecimento pleno do estado de direito e para que a justiça seja feita.

Comissão Executiva Nacional do PT

Nota do advogado de defesa de Gleisi e Paulo Bernardo:

“A acusação formulada pela PGR foi baseada somente em depoimentos claramente conflitantes de três colaboradores premiados.

Ao longo do processo, foram apresentados documentos, prestados testemunhos e ouvidos outros colaboradores que refutaram veementemente a acusação, seja sob o prisma da inexistente solicitação de valores a Paulo Roberto Costa ou da mentirosa história de entrega de valores por Alberto Youssef e Antônio Pieruccini.

Certa de que os fatos foram integralmente esclarecidos ao longo da instrução, a Senadora Gleisi Hoffmann apresentará as suas alegações finais confiando em sua absolvição através de um julgamento técnico por parte do Supremo Tribunal Federal”.

Rodrigo Mudrovitsch
Advogado Senadora Gleisi Hoffmann

*Com informações do Brasil 247

Foto: Lúcio Bernardo Júnior/Câmara dos Deputados



No artigo

x