“Feministas do Galo” colocam faixas em protesto contra a permanência de Robinho no clube

O atacante foi condenado na Itália a nove anos de prisão por “violência sexual em grupo” contra uma jovem albanesa de 22 anos

981 0

O atacante foi condenado na Itália a nove anos de prisão por “violência sexual em grupo” contra uma jovem albanesa de 22 anos

Da Redação*

O grupo de torcedoras do Atlético Mineiro Feministas do Galo colocou faixas em frente à sede do clube, em protesto ao silêncio perante a condenação do jogador Robinho a nove anos de prisão por estupro coletivo na Itália.

Na semana passada, a nona seção do Tribunal de Milão condenou o atacante Robinho, do Atlético-MG, a nove anos de prisão por “violência sexual em grupo” contra uma jovem albanesa de 22 anos, segundo informações de diversos diários italianos, como o La Gazzetta Dello Sport. O crime teria ocorrido em uma boate da cidade italiana, em 22 janeiro de 2013. Na época, Robinho atuava pelo Milan.

Esta é a segunda acusação de estupro enfrentada pelo jogador com passagem pela seleção brasileira. Investigado em 2009, na Inglaterra, depois que uma mulher disse ter sido violentada por ele numa casa noturna da cidade de Leeds, o jogador, que na época defendia o Manchester City, foi inocentado naquela ocasião.

*Com informações e imagens do Mídia Ninja



No artigo

x