Segurança do Metrô de São Paulo bate em mulher que defendia a sua esposa. Vídeo

“Me coloquei na frente e falei que ele estava agredindo uma mulher, que não podia fazer isso. Ele não gostou e me bateu. Também ameaçou uma outra pessoa que estava filmando e um cara que entrou para nos defender”, disse Juliana

1888 0

“Me coloquei na frente e falei que ele estava agredindo uma mulher, que não podia fazer isso. Ele não gostou e me bateu. Também ameaçou uma outra pessoa que estava filmando e um cara que entrou para nos defender”, disse Juliana

Da Redação*

Um segurança do Metrô de São Paulo agrediu a vendedora ambulante, Juliana da Silva, 35, com um tapa na cara. Juliana apanhou ao defender a sua companheira, Marta dos Santos, 30, de insultos do próprio segurança. O caso aconteceu na terça-feira (19), na estação Vila Matilde, por volta das 18h45 e foi filmado por outra mulher, que também teria sofrido ameaças do mesmo homem. Nenhuma delas estava trabalhando no local.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

De acordo com Juliana, ela, seu filho de 18 anos e Marta pegaram o metrô na estação Patriarca, pois iam ao Shopping Tatuapé retirar panetones. Ela se sentou em um banco no trem, enquanto sua esposa ficou ao lado, sentada no chão, separando alguns papéis.

Conhecidas na Linha 3-Vermelha, onde trabalham diariamente, vendendo chocolates e itens como fones de ouvido e spinners, elas foram abordadas na estação Guilhermina-Esperança — dois seguranças entraram no vagão e questionaram se elas estavam com mercadorias. Ao verem que as duas estavam no trem apenas como passageiras, exigiram que Marta se levantasse do chão. Ela acatou a ordem, mas continuou separando papéis de sua carteira. Eles exigiram que ela os recolhesse do chão e “parasse de sujar o metrô”. Marta avisou que faria isso antes de descer do vagão.

“Mas aí eles a arrastaram e a retiraram do vagão à força, na estação seguinte”, conta Juliana ao UOL, que entrou na frente para defender sua parceira e acabou sendo agredida. “Me coloquei na frente e falei que ele estava agredindo uma mulher, que não podia fazer isso. Ele não gostou e me bateu. Também ameaçou uma outra pessoa que estava filmando e um cara que entrou para nos defender. Para esse rapaz, ele disse ‘não acabou agora não, te encontro na rua’”, relata. O segurança usava uma mochila, o que indicaria que ele não estaria trabalhando no momento do ocorrido.

*Veja a reportagem completa no UOL

Foto: Reprodução YouTube



No artigo

x