Após censura à Queermuseu, Santander patrocina mostras sobre feminismo e intolerância

A iniciativa ocorre após grupos ultra-conservadores terem pressionado pelo fim da exposição Queermuseu, em Porto Alegre (RS) Por Jornal GGN O Santander Cultural...

1344 0

A iniciativa ocorre após grupos ultra-conservadores terem pressionado pelo fim da exposição Queermuseu, em Porto Alegre (RS)

Por Jornal GGN

O Santander Cultural assinou um compromisso com o Ministério Público Federal e irá patrocinas duas novas exposições sobre diversidade e diferença, que ficarão abertas por 120 dias, no total. Uma delas abordará a intolerância em diversos aspectos (étnicos, de gênero e orientação sexual, de liberdade de expressão, etc), e o tema da outra mostra será feminismo e as formas de empoderamento feminino. A iniciativa ocorre após grupos ultra-conservadores terem pressionado pelo fim da exposição Queermuseu, em Porto Alegre (RS).

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

O termo de compromisso foi elaborado pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do MPF e tomado pelo procurador da República Enrico Rodrigues de Freitas. O Santander se comprometeu a pagar uma multa de R$ 800 mil se descumprir o trato. “As exposições deverão permitir ‘livre e exclusiva criação e concepção artística do curador que será por ela responsável”, diz o documento.

Quando o caso da censura ao Queermuseu estourou, o MPF chegou a apurar as denúncias e recomendou, ao final, que a exposição fosse reaberta imediatamente. O Santander, contudo, não acatou a indicação. A Promotoria da Infância e da Juventude, do Ministério Público Estadual, já havia apontando que a mostra não representava “nenhuma apologia à pedofilia”, ao contrário do afirmava seus detratores.



No artigo

x