Douglas Belchior explica porque Guga Chacra foi racista ao elogiar “cidades construídas por bandeirantes”

“O rapaz parece insensível, como todo racista, ao fato de que toda a riqueza e beleza que elogia fora acumulada e construída pelas mãos e sobre o sangue negro e indígena”, disse o...

1608 0

“O rapaz parece insensível, como todo racista, ao fato de que toda a riqueza e beleza que elogia fora acumulada e construída pelas mãos e sobre o sangue negro e indígena”, disse o historiador sobre declaração do jornalista da GloboNews elogiando cidades do interior de São Paulo que foram construídas por bandeirantes 

Por Redação

O jornalista Guga Chacra, que apresenta jornais na GloboNews, fez um tweet nesta segunda-feira (8) que pode ter passado despercebido para muitos, mas não para o historiador e ativista do movimento negro Douglas Belchior.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Chacra fez uma postagem elogiando as cidades do interior paulista construídas por bandeirantes – para ele, “o Brasil que deu certo”.

“Um dos lugares mais fantásticos do Brasil é o interior de São Paulo. É o Brasil que deu certo. Vejam São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Campinas, Sorocaba. Isso para falar das grandes cidades, que foram construídas por imigrantes e bandeirantes”, escreveu, como se não houvesse problema algum em elogiar aqueles que foram os maiores genocidas de negros e indígenas no país.

Após ser chamado de racista pelo historiador e ativista do movimento negro Douglas Belchior, Chacra rebateu, dizendo que se limitou a um elogio das cidades do interior paulista, terra de seu pai, e que não era racista por isso.

Belchior, então, que é professor e fundador da UneAfro Brasil, ampliou sua resposta nesta quarta-feira (10) para detalhar o motivo pelo qual há racismo, sim, na declaração do jornalista.

“O rapaz parece insensível, como todo racista, ao fato de que toda a riqueza e beleza que elogia fora acumulada e construída pelas mãos e sobre o sangue negro e indígena. Aliás, aos que tem dúvidas, o fato de negar o protagonismo negro e indígena, exaltar o exército genocida e a braquitude de imigrantes europeus como responsáveis pelo sucesso da região, gera condições objetivas para configurar seu argumento como racista”, pontuou.

Confira.



No artigo

x