Servidora fantasma: Bolsonaro usa verba da Câmara para pagar vendedora de açaí em Angra dos Reis

Vizinhos afirmam que o marido da mulher em questão presta serviços de caseiro na casa de veraneio do deputado em Angra dos Reis. Questionado, Bolsonaro não esclareceu quais trabalhos parlamentares que a vendedora de...

2061 0

Vizinhos afirmam que o marido da mulher em questão presta serviços de caseiro na casa de veraneio do deputado em Angra dos Reis. Questionado, Bolsonaro não esclareceu quais trabalhos parlamentares que a vendedora de açaí exerce

Por Redação

Reportagem desta quinta-feira (11) da Folha de S. Paulo revela que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) usa verba da Câmara dos Deputados para pagar uma suposta funcionária fantasma. Walderice Santos da Conceição figura desde 2003 como funcionária do gabinete de Bolsonaro, mas não tem expediente em Brasília.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Wal, como é conhecida, mora na Vila Histórica de Mambucaba, a 50 quilômetros de Angra dos Reis. Ela é vizinha da casa de veraneio do deputado e tem um comércio que vende açaí. Diversos vizinhos ouvidos pela reportagem relataram que o marido de Wal, conhecido como Edenilson, presta serviços de caseiro na casa de veraneio de Bolsonaro.

Nos registros oficiais da Câmara, Walderice aparece como funcionária com um salário bruto mensal de R$1351,46. Em outros mandatos de Bolsonaro, no entanto, a vendedora de açaí já figurou em categorias superiores de assessores parlamentares, com salários que poderiam chegar aos R$14 mil.

A mulher, quando viu repórteres na região, se esquivou e não falou sobre o assunto. Já Bolsonaro nega que Walderice seja uma funcionária fantasma. À Folha de S. Paulo, o deputado disse que ela manda notícias interessantes ao mandato da região, mas não soube especificar que serviços ligados à sua atuação como deputado que ela prestaria. O parlamentar também negou que seu marido fosse caseiro de sua casa de veraneio. Segundo ele, Edenilson só vai até a residência “umas duas vezes por semana” para dar comida aos cachorros.

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

 

 

 



No artigo

x