“Só não serei candidato se me matarem ou me tirarem na covardia”, afirma Bolsonaro. Vídeo

Deputado federal e presidenciável pelo PSL, Jair Bolsonaro (RJ) ainda classificou a Folha de S.Paulo de um jornal “canalha”, por causa das reportagens que relataram o seu patrimônio e de seus filhos parlamentares.

1307 0

Deputado federal e presidenciável pelo PSL, Jair Bolsonaro (RJ) ainda classificou a Folha de S.Paulo de um jornal “canalha”, por causa das reportagens que relataram o seu patrimônio e de seus filhos parlamentares.

Da Redação*

O deputado federal e presidenciável pelo PSL, Jair Bolsonaro (RJ), afirmou que só abandona a sua candidatura à presidência da República se for morto ou tirado “na covardia” e criticou a Folha de S. Paulo, por causa das reportagens que relataram o patrimônio dele e dos filhos parlamentares, além do recebimento de auxílio-moradia mesmo tendo apartamento próprio em Brasília. Bolsonaro e seus três filhos que exercem mandato – Eduardo, Carlos e Flávio – são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões em pontos valorizados no Rio de Janeiro, como Copacabana, Urca e Barra da Tijuca, e de Brasília.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

“Só em duas situações eu posso não estar neste ano no debate presidencial: se me tirarem na covardia por um processo qualquer, na covardia, (…) ou se me matarem. Não tô preocupado com isso. Se me matarem vão ter que me enterrar, vão arranjar outro Celso Daniel [prefeito petista, assassinado em 2002”, complementou.

Em um vídeo de 11m39 postado no final da noite desta quarta-feira (10), Bolsonaro, acusou a Folha de ser um jornal “canalha. “A Folha pega e multiplica os anos todos que estamos em Brasília, soma com meu filho e dá um milhão: ‘Ganhou um milhão de auxílio-moradia’. Ao longo de quantos anos? Eu não sei, de 20 anos? É um crime, é um jornal canalha, a Folha de S.Paulo é um jornal canalha!”, disparou.

“Por exemplo, pegaram meu patrimônio [e disseram]: ‘Óóóó´, ele tem um apartamento em Brasília e recebe auxílio-moradia’. Tenho sim, apartamento de aproximadamente 60 metros quadrados [na verdade, 69 metros quadrados]. Que que eu posso fazer? Vender o apartamento, comprar aqui no Rio de Janeiro um outro imóvel e ir morar num apartamento mansão da Câmara, de 200 metros quadrados, alguns com hidromassagem, com tudo, com segurança, que eu não vou pagar. Não vou pagar IPTU, não vou pagar condomínio”, acrescentou.

“O que está em jogo? É o poder, é quem vai sentar-se naquela cadeira presidencial. (…) Sou uma pessoa completamente fora do establishment, sou o diferente, sou aquele intruso no poder”, disse ele, citando que PT e PSDB têm um leque de apoio parlamentar e no Executivo muito maior do que o dele. “O que acontece? Aponta a bateria pra cima de mim. No caso, a Folha de S.Paulo, tentando me desestabilizar e me colocar no mesmo nível dos candidatos deles, que eles apoiam, do PSDB. Eles preferem até um petista na Presidência do que eu”.

*Com informações do Brasil 247

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/Fotos Públicas

 



No artigo

x