Cinegnose

por Wilson Ferreira

18 de dezembro de 2017, 22h01

Três “Contos Maravilhosos” para novos mérito-empreendedores

Hoje a grande mídia esforça-se para demonstrar imparcialidade para não se desmoralizar de vez diante de telespectadores e leitores. Diante da crise econômica crônica e da tragédia social brasileira, a mídia é obrigada a abandonar o confortável campo semiótico da dissimulação (simplesmente mentir, omitir ou censurar) para aplicar a estratégia mais trabalhosa da simulação: tem que mostrar as mazelas brasileiras. Mas o desafio é transformá-las em “contos maravilhosos” no sentido dado pelo pesquisador de narratologia, Vladimir Propp – o estudo da estrutura narrativa recorrente em todos contos de fadas. Agora o jornalismo corporativo tenta transformar personagens anônimos da tragédia brasileira em protagonistas de contos de fadas pós-modernos. O “Cinegnose” analisa três contos maravilhosos midiáticos: o conto “a economia alquímica para as massas”, o conto do “presépio vivo de uma moradora de rua” e o conto “a virada maravilhosa de um homem em um economia que cresceu 0,1%”.

O advento da Internet e das redes sociais não trouxe apenas as chamada Fake News, como querem as agências de fact-cheking para livrar a cara da grande mídia. Também obrigou à mídia corporativa a mudar as estratégias de manipulação das notícias.

O campo semiótico da dissimulação sempre foi o campo privilegiado da manipulação midiática: esconder, omitir, mentir, censurar – afirmar que nada existe quando a realidade é encoberta. Se for obrigada a mostrar edita, angula, apresenta apenas as imagens e retira o áudio, retira da escalada de um telejornal,  espreme entre duas matérias frias, inverte as relações de causa e efeito do fato. Enfim, se for obrigada a relatar, mostra a realidade editada, montada e recortada.

Mas num cenário de mídias sociais onde os usuários passam mais tempo empunhando dispositivos móveis do que parados diante da TV ou sentados lendo um jornal, a tradicional dissimulação ganhou um limite: esconder passa a ser igual a tentar agarrar a água. Ela escorre entre os dedos. Os fatos podem vazar num tweet, numa postagem do Facebook e ganhar uma disseminação viral.

Veja também:  Esperando Glenn Greenwald: um réquiem para o jornalismo brasileiro

Por exemplo, em outros tempos, onde os meios de comunicação de massas eram as únicas fontes noticiosas, certamente episódios como o da galhofa racista do Jornalista William Waack seriam no mínimo deixados em segundo plano e ficariam restritos aos “causos” do folclore do jornalismo. Repercutiu fortemente nas redes sociais, obrigando a emissora a tomar a atitude imediata de afastá-lo.

O cenário das tecnologias da informação pode ter mudado, porém os interesses da velha mídia, decorrentes da manutenção do seu monopólio, continuam os mesmos. Por isso, hoje o esforço da mídia em aparentar imparcialidade para não se desmoralizar de vez diante dos leitores ou espectadores é muito maior – buscam-se soluções criativas, híbridas, heterodoxas. Às vezes desesperadas.

Nesse momento a mídia corporativa começa aos poucos a debandar do campo semiótico da dissimulação grosseira para se aventurar nas estratégias de simulação – ao invés de esconder algo que existe, simular possuir algo que não tem. Ingressar nesse novo campo semiótico significa abandonar a omissão e o encobrimento puro e simples. Agora a notícia deve mostrar as mazelas de uma realidade brasileira. Se não for pela grande mídia, acabará sendo pelas redes sociais.

Agora, as soluções devem passar pela narratologia, misturando elementos de ficção e não ficção, ou seja, tentar encaixar a realidade na morfologia de um “conto maravilhoso” no sentido dado pelo estruturalista russo Vladimir Propp (1895-1970).

Claro que certamente os jornalistas não têm formação acadêmica tão generalista a ponto de conscientemente aplicarem estruturas narratológicas nas notícias.

Assim como os velhos contos de fadas foram inconscientemente adaptados para cumprir a função ideológica de legitimar a ordem familiar do patriarcado, da mesma maneira os “contos maravilhosos” (estrutura arquetípica dos contos de fadas) são na atualidade irrefletidamente resgatados para simular que fenômenos fantásticos animam tanto a política como a economia.

Se Chapeuzinho Vermelho, Rapunzel e João e Maria receberam adequações para simular uma ordem supostamente natural da família, hoje a estrutura desses contos de fadas roteiriza as notícias da grande mídia para simular, por trás das crises e desgraças, uma ordem fantástica, mágica.

Veja também:  Esperando Glenn Greenwald: um réquiem para o jornalismo brasileiro

Principalmente com a proximidade das festas natalinas num cenário de crise crônica, desemprego e demissões em massa com a finalidade de precarizar o trabalho daqueles que pensem em um dia retornar para o emprego perdido.

Vamos analisar aqui três contos maravilhosos travestidos de matérias e quadros jornalísticos que mostram como a mídia corporativa é obrigada a se confrontar com a crise econômica, política e humana que ela própria ajudou a criar nos últimos anos de jornalismo de esgoto. Porém, simulando fantásticos contos de fada para tentar elevar a moral dos desempregados promovidos a “empreendedores”.

(1) O conto maravilhoso da economia alquímica para as massas

Doutor em Economia e especialista e finanças, Samy Dana responde e-mails de telespectadores no quadro “Economia Popular” do telejornal SPTV Primeira Edição da Globo São Paulo. Definido pela grande mídia (em matérias de revistas como Exame ou em aparição no extinto Programa do Jô) como um “economista com abordagem criativa”, Dana quer que seus alunos de Administração da FGV usem o “instinto criativo” para serem “caras que mudem o mundo”.

E o leitor pode ter certeza: Dana desfila toda sua criatividade nos seus conselhos de “economia popular” para os telespectadores.

Na edição de 22/11 o apresentador César Tralli abriu na tela do estúdio a pergunta de uma preocupada telespectadora: ela escreveu que seu marido era assalariado até o ano passado, foi demitido e agora é trabalha como autônomo. Porém, o final do ano está chegando e o 13o salário faz falta. E pergunta: “o quê meu marido pode fazer para isso não se repetir no ano que vem?”.

Dany Sana fez o esperado elogio do planejamento, do foco, e, principalmente, da disciplina de reservar um pouco dos rendimentos de cada mês para lá no final do ano disponibilizar esse dinheiro como uma espécie de 13o salário.

Veja também:  Esperando Glenn Greenwald: um réquiem para o jornalismo brasileiro

Se vivêssemos nos anos 1970 da ditadura militar brasileira, e nos anos do chamado “milagre econômico”, uma pergunta como essa (reveladora da atual perplexidade dos brasileiros diante da radical perda dos direitos trabalhistas) jamais seria colocada no ar, principalmente numa emissora como a Globo. A carta seria jogada na lata de lixo da mesa do editor.

Hoje, a grande mídia é obrigada a se confrontar com as mazelas de um País que vê um abismo sem fundo. E a criatividade do intrépido Dany Sana (capaz de levar um piano para aulas de Administração para instigar o “instinto criativo” nos alunos) é convocada para criar um conto maravilhoso no qual poupança se transmuta em 13o salario.

Ora, seria cruel demais ser franco com o telespectador e simplesmente admitir a realidade: ACABOU o 13o salário! Junto com sua carteira de trabalho… Vire-se e seja “criativo”… É melhor dourar a pílula com um conto maravilhoso.

Sana está sintonizado com uma espécie de economia alquímica dos novos tempos, na qual categorias econômicas se transmutam em outra numa Economia Política mágica que faria os Irmãos Grimm morrerem de inveja.

Assim como na religião do Empreendedorismo a fé move autônomos, microempreendedores, biscateiros etc. a acreditar que um dia a força de trabalho se transmutará em capital (o salário se transformará em lucro tornando o trabalhador em patrão de si mesmo), da mesma maneira Dany Sana manipula sua pedra filosofal que transmuta metal em ouro – a poupança (a renúncia forçada ao consumo, a única forma do trabalhador acumular riqueza) transforma-se maravilhosamente em 13o salário (antiga gratificação que o Capital pagava como prêmio ao trabalhador).

Categorias econômicas distintas (distintas porque representam as diferenças de classes em um sistema econômico – salário X capital; poupança x lucro) tornam-se magicamente conversíveis.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum