ASSISTA
03 de dezembro de 2016, 13h02

“A rede pode exercer um contrapoder”, diz Sergio Amadeu

Em palestra no lançamento da Rede Fórum de Jornalismo, sociólogo destaca as mudanças no jornalismo e como as tecnologias estão impactando a comunicação. Por Redação Neste sábado (3), a Revista Fórum promoveu o Lançamento da Rede Fórum de Jornalismo. Trata-se de um novo espaço de colaboração e trocas de conhecimento. Como explicou o editor e […]

Em palestra no lançamento da Rede Fórum de Jornalismo, sociólogo destaca as mudanças no jornalismo e como as tecnologias estão impactando a comunicação.

Por Redação

Neste sábado (3), a Revista Fórum promoveu o Lançamento da Rede Fórum de Jornalismo. Trata-se de um novo espaço de colaboração e trocas de conhecimento. Como explicou o editor e fundador da Fórum, Renato Rovai, a rede será uma espécie de um “think tank”. Será também um espaço de produção, construída com seus participantes.

O evento contou com a palestra do professor da Universidade Federal do ABC, Sergio Amadeu da Silveira, na parte da manhã. Segundo ele, hoje vivemos uma mudança na comunicação. “O meio técnico mudou. O rádio, por exemplo, não desapareceu, ele foi para a internet”, observou.

Como explicou Silveira, apesar de a internet ser uma rede de controle, melhora a capacidade de indivíduos poderem falar, criar seus blogs, suas redes. No entanto, o professor alertou que “o difícil não é fazer um blog, é as pessoas lerem o que você escreve”.

Silveira chamou atenção ainda que “a rede muitas vezes é mais rápida que a capacidade de apuração dos jornalistas”. Ele citou como exemplo o caso da morte de Michael Jackson, quando na internet já se falava do falecimento, mas a mídia tradicional só foi noticiar após algumas horas.

Outra questão trazida por Silveira são os novos intermediários da internet, como o Google, Microsoft e Facebook, que possui o WhatsApp. “O mundo dos blogs foi engolidos pelas redes sociais”, disse, lembrando do caso do Teatro Oficina que teve sua página na rede social excluída, no que o professor chamou de “censura privada”. “As vozes do poder estão na rede e em maior força”, comentou, destacando a importância da formação de redes que possam exercer o contrapoder.

Saiba mais sobre o evento aqui: http://bit.ly/2fW17wJ

Assista: