Blog do Maringoni

política

26 de janeiro de 2019, 16h15

A Vale antes da lama

Na Companhia Vale do Rio Doce, entre 1942 e 1997 - período em que pertenceu ao Estado brasileiro - nunca houve desastre ambiental que chegasse perto dos de Mariana e Brumadinho

Foto: Reprodução

A Companhia Vale do Rio Doce, estatal fundada por Getúlio Vargas, era, nos anos 1990, um conjunto de 27 empresas, cujas atividades iam da prospecção do subsolo, extração e processamento de minérios, transporte ferroviário, até sofisticadas atividades de química fina. Além disso, a Companhia era caracterizada por inúmeros projetos culturais, sociais e comunitários em todo o Brasil. Entre 1942 e 1997 – período em que pertenceu ao Estado brasileiro – nunca houve desastre ambiental que chegasse perto dos de Mariana e Brumadinho.

Privatizada sob o argumento de ser ineficiente, a Vale – nome insosso e que não diz nada – foi reduzida a uma mineradora. Extrai ferro e outros metais e os vende em estado bruto principalmente para a China. A Vale foi literalmente desindustrializada e transformada em agente de economia de enclave. Ou seja, especializada em atividade extrativista, com poucas atividades que desenvolvam o seu entorno. Tem baixo efeito multiplicador em termos de emprego e de dinamismo econômico. A companhia hoje é especialista em cavar buraco.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

A Vale só pode deixar de ser uma empresa marcada por agregar pouco valor aos seus produtos e danosa ao meio ambiente se for estatal e se estiver articulada a um projeto de desenvolvimento. Na atividade privada ela pode, no máximo, ser melhor fiscalizada. Mas seu potencial de gerar emprego e uma cadeia produtiva com sinergias em áreas afins seguirá sendo baixo. Ela se subordina à demanda externa por minérios e ponto.

A privatização da Vale por FHC foi um atentado à economia nacional. O fato de governos seguintes jamais terem questionado sua venda – cercada de denúncias de ilegalidades – mostra como desenvolvimento, papel do Estado e soberania são temas difíceis de ganharem prioridade na agenda nacional.

Ah, a Vale, nessas duas últimas décadas, financiou centenas de campanhas de candidatos a todo tipo de cargo eletivo. É também algo próprio da iniciativa privada.

É possível que isso explique muita coisa sobre a atual relação da empresa com o Estado.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais