11 de dezembro de 2018, 11h17

Aécio recebeu imóvel de R$ 17 milhões e mesada de R$ 50 mil da JBS, diz PF

De acordo com a investigação, cerca de R$ 128 milhões foram usados para compra de apoio político a Aécio na eleição presidencial de 2014, envolvendo partidos como Solidariedade, DEM e PTB.

A Polícia Federal informou que a ação conduzida nesta terça-feira (11) – chamada Operação Ross – que teve como alvo o senador e deputado federal eleito Aécio Neves (PSDB/MG), a irmã dele, Andréa Neves, os deputados Paulinho da Força (Solidariedade/SP) e Cristiane Brasil (PTB/RJ) investiga a emissão de notas frias por empresas para pagamentos de suposta propina da JBS para o grupo político capitaneado por Aécio entre 2014 e 2017.

Segundo a PF, cerca de R$ 128 milhões foram usados para compra de apoio político a Aécio na eleição presidencial de 2014, envolvendo partidos como Solidariedade, DEM e PTB.

A PF ainda informa que a JBS paga R$ 50 mil de “mesada” ao tucano, por meio da rádio Arco Íris, de propriedade da família dele, e comprou um imóvel que pertencia ao jornal Hoje em Dia, em Belo Horizonte, por R$ 17 milhões, supostamente a pedido do senador.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Em troca da propina, segundo as investigações, Aécio interveio junto ao governo de Minas para viabilizar a restituição de créditos de ICMS de empresas do grupo J&F, que controla a JBS.

A PF queria a imposição de medidas cautelares —recolhimento noturno, suspensão do mandato, proibição de manter contato com outros investigados e proibição de sair do país— a Aécio e três deputados: Paulinho da Força, Benito Gama (PTB-BA) e Cristiane Brasil (PTB-RJ). Mas, as medidas foram negadas pelo ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF).

A PF também requereu a prisão temporária de cinco suspeitos de participar do esquema, entre eles o publicitário Paulo Vasconcelos do Rosário Neto e representantes das empresas que teriam emitido as notas frias, além de busca e apreensão na casa dos senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG) e Agripino Maia (DEM-RN).

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais