ASSISTA
16 de Abril de 2018, 10h11

Aécio volta à cena com artigo no qual se diz inocente e injustiçado

Aécio repete, em artigo na Folha, a mesma versão da conhecida gravação com Joesley: os R$ 2 milhões eram um empréstimo

Em um artigo publicado na Folha desta segunda-feira (16), o senador tucano Aécio Neves tenta, mais uma vez, provar a sua inocência e apresentar a sua versão dos fatos. Para ele, o país vive uma era onde a narrativa que se impõe é a de que “todos os políticos são culpados” e ele seria, portanto, um vítima deste processo.

Logo a seguir, Aécio repete a sua mesma versão da história da conhecida gravação em que foi flagrado em conversa com o sócio da JBS, Joesley Batista, negociando a entrega de R$ 2 milhões. Ele diz que, por estar em dificuldades financeiras, inclusive com a inesperada venda de um apartamento onde morou por 35 anos no Rio de Janeiro, teria pedido “emprestado” o dinheiro ao empresário.

Aécio relata também um telefonema que sua irmã, Andreia Neves, teria feito ao empresário, com o objetivo da venda do imóvel, o que seria para ele uma comprovação da sua inocência.

Daí em diante, Aécio repete o que sempre alegou, ou seja, que a conversa em que foi flagrado foi “criminosamente gravada” e, pior ainda, ele teria sido induzido a dizer o que disse. Com relação ao recurso, recebido em dinheiro vivo, o senador alega que isto não é ilegal, mas que, mesmo assim, se arrepende de ter aceitado.

A seguir, o senador afirma que nunca deu em contrapartida vantagem nenhuma à JBS. Diz que foi ingênuo, mas não cometeu nenhuma ilegalidade.

Leia o artigo de Aécio Neves aqui.