05 de agosto de 2014, 14h42

Aeroporto de Cláudio e o tráfico de drogas

Conexões suspeitas entre helicóptero apreendido em 2013, aeroporto de Cláudio (MG) e parente de Aécio Neves apontam para o tráfico internacional de drogas

Por Vinicius Gomes, de Belo Horizonte (MG)

O artigo de Helcio Zolini foi retirado do ar pouco mais de 24h depois de sua publicação (Reprodução)

O artigo de Helcio Zolini foi retirado do ar menos de 24h depois de sua publicação (Reprodução)

Denúncias cada vez mais constantes a respeito das irregularidades em relação ao aeroporto de Cláudio (MG) ganham novos episódios, dessa vez envolvendo a polêmica pista de pouso com o tráfico de drogas. Primeiro foi o jornalista Leonardo Dupin quem escreveu a respeito, com texto publicado no blog do Juca Kfouri; em seguida, veio um artigo de Hélcio Zolini, diretor institucional da Rede Record de Minas. Artigo esse que menos de 24 horas depois foi retirado do ar.

Em 2012, o empresário Tancredo Aladim Rocha Tolentino – filho do ex-prefeito de Cláudio, Múcio Tolentino, e primo de Aécio Neves, mais conhecido na pequena cidade como apenas “Quêdo”- foi preso pela Polícia Federal durante a operação Jus Postulandi, que investigava uma quadrilha de venda de habeas corpus para traficantes. Meses depois, ele tentou ainda se candidatar à prefeitura de Cláudio.

As suspeitas, no entanto, vão além apenas do esquema para obter libertação para traficantes de drogas presos: envolvem também um desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Hélcio Valentim de Andrade Filho, que após recebimento do dinheiro, expedia o alvará de soltura dos traficantes. A polícia também investiga se o aeroporto de Cláudio foi utilizado como rota para o tráfico de drogas, uma vez que já é pública a informação de que o helicóptero da empresa Limeira Agropecuária, da família do senador Zezé Perrela, apreendido no Espírito Santo transportando 445 quilos de cocaína em novembro passado, chegou a pousar antes em um ponto do povoado de Sabarazinho (apenas 14 km de distância do aeroporto mineiro de Cláudio), três horas antes de seguir viagem para um sítio na cidade capixaba de Afonso Cláudio. A PF chegou a tal confirmação baseando-se no rastreamento do GPS do helicóptero, assim como nas anotações do plano de voo dos pilotos.

As respostas acerca da apreensão dos 450 kg de cocaína no ano passado nunca foram claramente oferecidas pelas autoridades. A culpa caiu na conta do piloto, e não houve reverberações sobre o caso – até o surgimento dos polêmicos aeroportos construidos durante a gestão de Aécio Neves como governador.

Foto de capa: Google Earth