Imprensa livre e independente
22 de março de 2019, 09h05

Afago de Bolsonaro não agrada sistema financeiro, que diz esperar pela reforma da Previdência

Depois de uma série de reuniões com agentes do sistema financeiro, o ânimo dos chamados "investidores" baixou, sendo derrubado ainda mais com a prisão de Michel Temer e os reflexos causados na articulação política para aprovação da reforma da Previdência no Congresso

Bolsonaro em reunião com agentes do sistema financeiro nos EUA (Arquivo/Alan Santos/PR)
Durou pouco a celebração do clã Bolsonaro com a oscilação positiva da Bolsa de Valores após a visita de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos. Ao virar as costas e voltar para o Brasil, depois de uma série de reuniões com agentes do sistema financeiro, o ânimo dos chamados “investidores” baixou, sendo derrubado ainda mais com a prisão de Michel Temer (MDB) nesta quinta-feira (21) e os reflexos causados na articulação política para aprovação da reforma da Previdência no Congresso Nacional. “A visita (de Bolsonaro a Washington) não mexe decisivamente com a expectativa do setor privado americano. O grande teste vai...

Durou pouco a celebração do clã Bolsonaro com a oscilação positiva da Bolsa de Valores após a visita de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos. Ao virar as costas e voltar para o Brasil, depois de uma série de reuniões com agentes do sistema financeiro, o ânimo dos chamados “investidores” baixou, sendo derrubado ainda mais com a prisão de Michel Temer (MDB) nesta quinta-feira (21) e os reflexos causados na articulação política para aprovação da reforma da Previdência no Congresso Nacional.

“A visita (de Bolsonaro a Washington) não mexe decisivamente com a expectativa do setor privado americano. O grande teste vai ser uma reforma da Previdência que coloque o Brasil no caminho do controle fiscal”, disse Roberto Simon, do Conselho das Américas à Folha de S.Paulo, indicando que, sem a aprovação da proposta de Paulo Guedes, o sistema financeiro pretende abandonar o barco de Bolsonaro.

A tramitação da proposta no Congresso enfrenta cada dia mais resistência e deve piorar nos próximos dias, com a irritação de Rodrigo Maia com os tuítes de Carlos Bolsonaro.

Veja também:  Milícia bolsonarista nas redes faz MBL perder mais de 50 mil seguidores

Nesta quinta-feira (21) o presidente da Câmara avisou ao ministro da Economia que deixará a articulação política pela reforma da Previdência. Maia tomou a decisão após ler mais um post do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), com fortes críticas a ele.

Irritado, o deputado telefonou para Guedes e disse que, se é para ser atacado nas redes sociais por filhos e aliados de Bolsonaro, o governo não precisa de sua ajuda.

“Eu sou a boa política, e não a velha política. Mas se acham que sou a velha, estou fora”, disse Maia na ligação, que teria sido presenciada por aliados do Centrão.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum