06 de setembro de 2018, 18h42

Agressor de Bolsonaro teria sido filiado ao PSOL

Fórum apurou que os dois partidos estão cruzando dados para descobrir se Adelio Bispo de Oliveira militou nas respectivas siglas

Foto: Reprodução/TV

Atualizado em 07/09 às 8h30*

O suposto agressor do candidato à presidência, Jair Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira, nunca foi filiado ao PDT. O homem que apareceu como sendo o autor da facada não é o mesmo, mas tem apenas o nome parecido e se chama José Adelio de Oliveira.

Logo após a prisão de Adelio Bispo de Oliveira, autor da facada que feriu o candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), na tarde desta quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG), algumas informações davam conta de que ele teria sido filiado ao PSOL, entre maio de 2007 e dezembro de 2017, e que agora seria filiado ao PDT. A Fórum fez contato com o diretório estadual do PDT de Minas Gerais.

A informação divulgada é que nos documentos internos do partido em Minas há, apenas, um registro em nome de Jose Adelio de Oliveira. A pessoa que atendeu ao telefone informou que ainda não há certeza de que se trata de um homônimo ou se houve um erro no registro e é a mesma pessoa. “Estamos tentando cruzar os dados para conseguir a informações definitiva”, disse a funcionária do PDT mineiro.

A Fórum ainda apurou com uma fonte próxima à direção nacional do PSOL que o partido também está tentando levantar dados a respeito de Adelio, mas que, por enquanto, a informação é que ninguém conhece o agressor.

Na lista de filiados de partidos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) consta que Bispo de Oliveira fez parte dos quadros do PSOL de 2007 a 2014, ano em que solicitou desfiliação.