30 de outubro de 2018, 08h34

Alckmin sobre Bolsonaro: “Começou mal”

O tucano comenta os ataques que Bolsonaro fez à Folha

Foto: Jardiel Carvalho

O ex-governador de São Paulo e candidato derrotado à presidência, Geraldo Alckmin (PSDB), criticou duramente o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) ao repercutir pelas redes sociais as críticas que ele fez ao jornal Folha de S.Paulo, na noite desta segunda-feira (29), em sua primeira entrevista ao Jornal Nacional. De acordo com Alckmin, Bolsonaro “começou mal. A defesa da liberdade ficou no discurso de ontem”.

“Começou mal. A defesa da liberdade ficou no discurso de ontem. Os ataques feitos hoje pelo futuro presidente à Folha de São Paulo representam um acinte a toda a Imprensa e a ameaça de cooptar veículos de comunicação pela oferta de dinheiro público é uma ofensa à moralidade e ao jornalismo nacional. É pretender substituir a liberdade de Imprensa pelo clientelismo de Imprensa. Alguns fazem críticas aos seus críticos porque não conhecem seus próprios limites. O futuro Presidente vai ter de conviver e de respeitar todos e, em especial, os que a ele dirijam críticas.”

Questionado sobre os ataques que fez ao jornal Folha de S. Paulo, Bolsonaro voltou a dizer que “imprensa que se comportar mentindo não terá apoio do governo”, fazendo referências às verbas publicitárias governamentais que serão cortadas.

Durante a campanha, o militar da reserva já havia ameaçado o veículo. “A Folha de S.Paulo é o (sic) maior fake news do Brasil. Vocês não terão mais verba publicitária do governo. Imprensa livre: parabéns! Imprensa vendida: meus pêsames!”, disse em discurso na avenida Paulista, após a publicação da reportagem que revelou esquema de disparos em massa anti-PT via WhatsApp financiados por empresários, o que configura Caixa 2 e é ilegal.