Imprensa livre e independente
29 de abril de 2019, 06h23

Aliado de Mourão, general Santos Cruz entra na linha de tiro de aliados de Carlos Bolsonaro

O atrito com o filho de Bolsonaro teria começado ainda no início do governo, quando Santos Cruz teria atuado pessoalmente para impedir que Léo Índio fosse nomeado no Planalto

Santos Cruz, Bolsonaro, Leo Índio e Carlos Bolsonaro (Montagem)
O levante promovido pelo filho de Jair Bolsonaro (PSL), o vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ), contra o vice-presidente, General Hamilton Mourão (PRTB), abriu novo front de guerra, agora contra o ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz , da Secretaria de Governo. Segundo Jussara Soares, na edição do jornal O Globo desta segunda-feira (29), o caso da campanha publicitária do Banco do Brasil focada na diversidade, que foi censurada por Bolsonaro, fez com que Santos Cruz entrasse definitivamente na mira da linha ideológica do governo, capitaneada por Carlos. Irritado, Bolsonaro declarou que seus ministros devem seguir sua linha de pensamento. “Quem não...

O levante promovido pelo filho de Jair Bolsonaro (PSL), o vereador Carlos Bolsonaro (PSC/RJ), contra o vice-presidente, General Hamilton Mourão (PRTB), abriu novo front de guerra, agora contra o ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz , da Secretaria de Governo.

Segundo Jussara Soares, na edição do jornal O Globo desta segunda-feira (29), o caso da campanha publicitária do Banco do Brasil focada na diversidade, que foi censurada por Bolsonaro, fez com que Santos Cruz entrasse definitivamente na mira da linha ideológica do governo, capitaneada por Carlos. Irritado, Bolsonaro declarou que seus ministros devem seguir sua linha de pensamento. “Quem não seguir o que eu penso deve se calar”.

Para auxiliares do presidente que disputam o poder de influência no governo com os militares, Santos Cruz se intromete em muitas áreas do Executivo e não se alinha às pautas mais conservadoras.

Também passou a pesar contra o ministro o fato de ser o mais alinhado ao vice-presidente Hamilton Mourão. Durante a crise envolvendo o vereador do Rio Carlos Bolsonaro e Mourão, na última semana, ele teria saído em defesa do vice e buscado conciliação.

Veja também:  Repórter da Globo deu Bíblia a Bolsonaro para "ganhar espacinho", diz Carlos: "A repulsa está na cara"

O atrito com o filho de Bolsonaro teria começado ainda no início do governo, quando Santos Cruz teria atuado pessoalmente para impedir que Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio e primo dos filhos do presidente, fosse nomeado no Planalto.

Léo Índio atuou, então, como espécie de olheiro do primo até ser contratado na semana passada para o gabinete do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), vice-líder do governo no Senado, com salário de cerca de R$ 23 mil.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum