08 de janeiro de 2018, 14h42

Alunos e professores da UniCarioca são alvos de racismo

Blog com ofensas raciais provoca revolta na internet. Vítimas são da universidade e prometem ir nesta segunda-feira (8) à delegacia para denunciar o caso.

Blog com ofensas raciais provoca revolta na internet. Vítimas são da universidade e prometem ir nesta segunda-feira (8) à delegacia para denunciar o caso.

Da Redação*

Mais um caso de racismo e intolerância na internet. A página intitulada riodenojeira.com, cujo autor é identificado por ricwagner1, publicou texto com ofensas raciais direcionado a alunos e professores da UniCarioca, rede privada de ensino superior do Rio de Janeiro. As vítimas prometem entrar nesta segunda-feira (8) com queixa na Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI). O autor das ofensas estaria usando o perfil de um estudante da própria instituição, que, por sua vez, já é alvo de críticas nas redes sociais.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Em postagem no dia 6 de janeiro, o autor diz estar incomodado com uma maior presença de “negros e mestiços; negros pobres” na universidade. Ele cita que a faculdade se tornou uma “boca de fumo e uma senzala gigantesca” e que a elite passou então a estudar em instituições com mensalidade mais cara para que “seus descendentes não se misturem com os traficantes-símios da Unicarioca”.

A publicação tem ainda ofensas diretas contra professores e alunos, além de fotos. Há também clara intolerância em razão de orientação sexual. Uma das vítimas, que teve a até mesmo foto postada, é chamada de “homossexual e macaco” e que “o melhor mesmo é matar ele, encher de bala”.

Uma das estudantes tem 21 anos e é aluna de Ciência da Computação. Ela, que recebeu ataques contra a sua intimidade, desabafa que perdeu a paz após as postagens. “Foi um choque, está sendo péssimo. Minha vida ficou um transtorno, minhas redes sociais e meu telefone não param de receber mensagens. Meus familiares ficam me questionando. Foi difícil até para dormir”, contou, acrescentando que espera que a polícia venha a encontrar o autor dos comentários racistas.

Com o apoio do professor Rogério Borba, as vítimas vão à Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI). O docente articulou grupo para amparar os alunos e acionou o departamento jurídico da UniCarioca. “Em pleno século XXI é absurdo termos comportamento racista, homofóbico e misógino. Como professor, temos responsabilidade na formação de cidadãos e somos tolerantes, menos com a intolerância”, disse.

No domingo, o autor também publicou texto dizendo que “goza de impunidade e que o site ficará online”. Ele ainda escreve que nada acontecerá por ser “amigo pessoal” da titular da DRCI, Daniela Terra, que está de férias. O delegado Marcos Mota, atualmente à frente da DRCI, disse que as alegações em nome da especializada são “esdrúxulas e o caso será investigado”. Postou mais: “Esqueçam, negros cotistas, vadias feministas etc. Vocês perderam dessa vez. Eu trabalho com computação há mais de quinze anos. Na internet eu sou Deus! Vai ter racismo, sim! Vai ter machismo, sim! Vai ter homofobia, sim!

O administrador da página Rio de Nojeira, no Facebook, conhecida por denunciar irregularidades no Rio, lamentou a associação irregular com o nome de sua página e contou que recebeu centenas de mensagens alertando sobre a “falsificação”. “É um absurdo ainda existir pessoas assim. Ele precisa ser achado, até para provar a lisura da minha página”, contou o administrador, que pede para não ser identificado.

*Com informações de O Dia

Foto: Reprodução/Internet