Imprensa livre e independente
03 de janeiro de 2019, 18h09

Ameaça comunista: Bolsonaro troca cadeiras vermelhas por cadeiras azuis no Alvorada

O presidente parece estar ainda em plena campanha eleitoral: ao invés de ditar rumos com propostas concretas, insiste em falar sobre a ameaça vermelha e socialista que ele pretende banir do Brasil, a começar pela troca das cadeiras vermelhas do Palácio do Alvorada pelas de cor azul

O "fantasma do comunismo". (Reprodução)
Em mais um gesto populista, há apenas três dias no governo, o presidente Jair Bolsonaro demonstrou ainda estar em ritmo de campanha eleitoral. Ao invés de ditar rumos com propostas concretas para o país, o capitão da reserva insiste, assim como fez em seu discurso de posse, na narrativa de que há uma “ameaça socialista” e que, por isso, se empenhará e dará, se preciso, o próprio sangue para que a bandeira do Brasil jamais seja vermelha. Para combater o socialismo e a ameça que nunca existiu, Bolsonaro brinda seus eleitores mais raivosos com ações que vão da incitação a...

Em mais um gesto populista, há apenas três dias no governo, o presidente Jair Bolsonaro demonstrou ainda estar em ritmo de campanha eleitoral. Ao invés de ditar rumos com propostas concretas para o país, o capitão da reserva insiste, assim como fez em seu discurso de posse, na narrativa de que há uma “ameaça socialista” e que, por isso, se empenhará e dará, se preciso, o próprio sangue para que a bandeira do Brasil jamais seja vermelha.

Para combater o socialismo e a ameça que nunca existiu, Bolsonaro brinda seus eleitores mais raivosos com ações que vão da incitação a violência, passando pela intolerância e até mesmo gestos que beiram a infantilidade, como o desta quinta-feira (3): as cadeiras vermelhas do Palácio do Alvorada foram trocadas por cadeiras de cor azul.

Se a substituição das cadeiras no Alvorada e o jargão “a nossa bandeira jamais será vermelha” estão no campo do simbolismo, outras ações de perseguição política são práticas. Uma delas foi a exoneração de 320 servidores em cargos comissionados que, de acordo com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, faz parte da “despetização” que será promovida pelo governo Bolsonaro.

Veja também:  O perigo bonapartista continua presente

Além disso, também nesta quinta-feira (3), veio à público que militares farão sabatina ideológica com candidatos a cargos no novo governo. Aqueles que tiverem ideias consideradas “petistas” ou “socialistas”, naturalmente, não terão a menor chance de serem contratados.

Leia também
VÍDEO: Damares Alves anuncia nova era: “meninos vestem azul e meninas vestem rosa”

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum