15 de maio de 2018, 11h34

Anastasia lança pré-candidatura ao governo de MG sem Alckmin e Aécio

Até dois meses atrás, o tucano dizia que não disputaria o cargo, mas teria sido pressionado a mudar de posição.

Foto: Divulgação/PSDB

A pré-candidatura do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) ao governo de Minas Gerais foi lançada nesta segunda-feira (14). O que chamou mais a atenção no ato foi a ausência do senador Aécio Neves e do pré-candidato à presidência da República, Geraldo Alckmin, ambos tucanos. Segundo Marcos de Moura e Souza, do Valor, Anastasia adotou o discurso de que será necessário o auxílio de Brasília para tirar o “estado da quebradeira financeira”. No entanto, o senador faz restrições ao plano de ajuda apresentado em 2017 pelo governo federal a estados em crise. O plano implicava na privatização de estatais e o tucano disse que no caso de Minas essa não parece ser a melhor solução.

Até dois meses atrás, o tucano dizia que não disputaria o cargo, mas, segundo informações, teria sido pressionado a mudar de posição. O temor era que, sem um nome na disputa pelo Palácio da Liberdade, a legenda tenderia a se enfraquecer em Minas. Colecionando derrotas no pleito para o governo do Estado em 2014, e na disputa pela prefeitura de Belo Horizonte, em 2016, a situação dos tucanos piorou ainda mais com os escândalos que tiveram Aécio Neves como protagonista.

O senador e sua irmã, Andrea Neves, considerada seu braço direito, são réus no Supremo Tribunal Federal (STF) em processo por corrupção passiva e obstrução de justiça, acusados de pedir propina de R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista. Aécio também é investigado em outras ações no STF.