16 de outubro de 2018, 19h29

Aos gritos de “Bolsonaro”, travesti é morta a facadas no centro de SP

Testemunhas relatam que quatro homens, aos gritos de "Bolsonaro" e "Ele sim", entraram em discussão com uma travesti em um bar no centro de São Paulo e a esfaquearam antes de fugir; vítima não resistiu e morreu a caminho do hospital

Reprodução/Arquivo Pessoal

Aconteceu na madrugada desta terça-feria (16) em São Paulo mais uma agressão que pode ter motivações políticas, encampada por apoiadores do candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Por volta das 4h da manhã, a Polícia Militar foi acionada para atender a um chamado de uma travesti esfaqueada na região do Largo do Arouche, centro da capital paulista. Ela teria sido esfaqueada após uma discussão com um grupo de cerca de quatro homens em frente a um bar. Após o crime, os homens fugiram. A vítima, que não teve o nome revelado, teria conseguido andar por 400 metros até cair e pedir ajuda a seguranças de um hotel. Ela foi encaminhada ao hospital mas não resistiu e faleceu no caminho.

Duas testemunhas ouvidas pelo portal G1 informaram que os homens gritavam “Bolsonaro” e “ele sim” enquanto agrediam a travesti.

“Ela estava com quatro ou cinco homens em frente ao bar. E daí eu comecei a ouvir gritos, uma discussão, uma briga. Chamavam ela de vários nomes, agressões verbais, e gritavam ‘Bolsonaro'”, disse a dona de um bar próximo, que preferiu não se identificar.

A Polícia Civil ainda tenta localizar os suspeitos.