21 de agosto de 2018, 18h39

Após 21 dias, aposentado encerra greve de fome pela liberdade de Lula

Richardo Faulhaber, de 63 anos, divulgou uma nota onde explica que teve de terminar o protesto por se encontrar nos limites “físico, espiritual e racional”

O aposentado Richard Faulhaber, de 63 anos, divulgou uma nota, nesta terça-feira (21), anunciando que encerrou a greve de fome que já durava 21 dias. A atitude era uma forma de protesto em relação à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Faulhaber estava alojado em um acampamento improvisado nas proximidades da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, de onde concedeu entrevista exclusiva à Fórum, na tarde desta segunda-feira (20). Acompanhe a íntegra da nota: Estamos encerrando hoje, 16 horas do dia 21/08/2018, esta nossa greve de fome, em solidariedade ao maior defensor do nosso povo mais esquecido, que iniciamos...

O aposentado Richard Faulhaber, de 63 anos, divulgou uma nota, nesta terça-feira (21), anunciando que encerrou a greve de fome que já durava 21 dias. A atitude era uma forma de protesto em relação à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Faulhaber estava alojado em um acampamento improvisado nas proximidades da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, de onde concedeu entrevista exclusiva à Fórum, na tarde desta segunda-feira (20).

Acompanhe a íntegra da nota:

Estamos encerrando hoje, 16 horas do dia 21/08/2018, esta nossa greve de fome, em solidariedade ao maior defensor do nosso povo mais esquecido, que iniciamos às 16 h do dia 31/07/2018. Irmãos companheiros de dedicação e luta por um mundo cada vez mais fraterno e inclusivo, com oportunidades cada vez mais iguais para todos.

Chegamos ao nosso limite físico, espiritual e racional de persistência nesta greve de fome.  Tendo em conta:

(1) A divulgação desta nossa greve de fome, aqui em Curitiba, pouco interessou aos veículos de informação, até mesmo para a grande maioria dos nossos veículos de informação de esquerda, que estiveram conosco, ajudando a divulgar a nossa greve de fome anterior, com os mesmos objetivos, em Porto Alegre, em janeiro de 2018.

Nesta nossa divulgação ficou majoritariamente restrita aos nossos compartilhamentos através de centenas de mensagens pessoais e nos grupos, pelo whatsapp.

Mas temos de agradecer aos apoios da “Nova Militância” e da “Revista Fórum” pela atenção e pelas matérias publicadas …

(2) @s irmã@s companheir@s médic@s que estiveram nos orientando, presencialmente de 4 em 4 dias, ou por whatsapp, tendo por base o tempo já decorrido de greve de fome, e os exames de sangue (de início, e do dia 15/08) e medições de pressão, glicose e peso, estiveram nos alertando, de forma a cada dia mais reiterada e contundente, que estarmos sem acompanhamento médico presencial diário é por demais arriscado (risco de sequelas graves ou pior), risco este que se potencializa a cada mais um dia que passa …

E nos últimos 2 dias estou me sentindo cada vez mais zonzo, e com mais frequência …

(3) Não desejamos morrer nem ficarmos impossibilitados de continuar nossas dedicações diárias voltadas ao acolhimento e à inclusão social d@s noss@s irmãos mais esquecid@s e com bem menos oportunidades nesta vida …

Buscamos sim tentar chegar e sensibilizar a@s noss@s milhões de irmã@s que continuam com seus corações e mentes inserid@s nesta bolha midiática alienante liderada pela Rede Globo, de mentiras e manipulações 24 horas por dia.  Tentando ajudá-los a perceber que as verdades do mundo real estão fora desta bolha midiática, cujos tentáculos estão em todos os lares e lugares deste nosso país …

Prosseguimos juntos irmã@s companheir@s na nossa dedicação e luta diária por um nosso país e um mundo com acolhimento e oportunidades, cada vez mais iguais, para tod@s !!

Um forte abraço fraterno em cada um@ de vocês!

Curitiba, 21/08/2018

Richard Faulhaber