Imprensa livre e independente
18 de abril de 2019, 08h36

Após apoio de Neymar, pai do jogador é recebido com afagos por Bolsonaro para negociar cobrança da Receita

Durante visita a Israel, Medina e Neymar apareceram em vídeo de postagem de Bolsonaro ao lado de Netanyahu

Foto: Instagram/Neymar Pai
O pai do jogador Neymar, empresário Neymar da Silva Santos, foi recebido nesta quarta-feira (17) pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para “prestar esclarecimentos” sobre processo contra o jogador que será julgado pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). A Receita Federal multou Neymar, em 2015, em R$ 188 milhões em processo que investigava sonegação fiscal. No mesmo ano, a Justiça chegou a bloquear, a pedido do Fisco, bens do jogador neste montante. A investigação se referia ao período de 2011 a 2013 sob a suspeita de omissão de rendimentos do trabalho, falta de pagamento de Imposto de Renda entre outros...

O pai do jogador Neymar, empresário Neymar da Silva Santos, foi recebido nesta quarta-feira (17) pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para “prestar esclarecimentos” sobre processo contra o jogador que será julgado pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf).

A Receita Federal multou Neymar, em 2015, em R$ 188 milhões em processo que investigava sonegação fiscal. No mesmo ano, a Justiça chegou a bloquear, a pedido do Fisco, bens do jogador neste montante.

A investigação se referia ao período de 2011 a 2013 sob a suspeita de omissão de rendimentos do trabalho, falta de pagamento de Imposto de Renda entre outros delitos. O caso foi parar no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) – última instância administrativa para recorrer de autuações do Fisco. Em 2017, julgou o caso e reduziu a multa para, de acordo com a defesa do jogador, cerca de R$ 8 milhões.

Afagos em Israel

Durante visita presidencial a Israel, Medina e Neymar apareceram em uma postagem do presidente Jair Bolsonaro ao lado de Benjamin Netanyahu. Nele, os dois atletas agradecem convite para visitar o país e reiteram que, em breve, estarão por lá.

Veja também:  Fórum Sindical | O poder da mobilização popular e da organização sindical

Afagos em Brasília

Apenas quinze dias depois, o pai do jogador do Paris Saint-Germain e da seleção brasileira foi recebido. Inicialmente pelo presidente Bolsonaro para falar sobre o processo. Depois, foi encaminhado ao ministro Paulo Guedes e o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, por se tratar de um tema “de natureza técnica”, informou o ministério da Economia.

“O empresário apresentou seus esclarecimentos ao ministro Paulo Guedes, sendo usual a concessão de audiências ao setor privado, conforme consta na agenda pública das autoridades da União. Independentemente da audiência, todo o encaminhamento da questão ocorrerá no âmbito do respectivo processo administrativo fiscal e observará todas as premissas legais aplicáveis”, afirmou a assessoria da pasta.

Logo após a visita, Neymar pai postou, em sua conta no Instagram, uma foto no gabinete de Bolsonaro. No mesmo post, colocou a imagem de uma notificação da Receita Federal, recebida em janeiro, de que a empresa Neymar Sport e Marketing passaria a constar no monitoramento diferenciado da Receita Federal. Isso porque a empresa está entre os 10 mil maiores contribuintes do País. A assessoria de imprensa de Neymar pai foi questionada sobre o motivo da reunião com Guedes e Cintra e se alguma demanda específica foi apresentada. Até a publicação deste texto, a assessoria não respondeu.

Veja também:  GloboNews vai transmitir programa com “segunda-dama do Brasil” Paula Mourão

Com informações do Estadão

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum