14 de março de 2019, 10h31

Após atentado em escola nos EUA em 2018, Trump defendeu “armar professores” como solução

Nesta terça-feira (13), após o atentado cometido por dois jovens armados que deixou 10 mortos na escola estadual Raul Brasil, em Suzano, o senador Major Olímpio (PSL/SP) defendeu a mesma ideia

O presidente dos EUA, Donald Trump (Arquivo)
Em cerimônia na Casa Branca em fevereiro de 2018, após massacre a tiros que matou 17 pessoas na escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas High School, na Flórida, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu a ideia de que a solução para atentados em colégios seria “armar professores e treinadores“. “Um ataque dura, em média, cerca de três minutos. Leva de cinco a oito minutos para os socorristas, para a polícia entrar, então o ataque acabou. Se você tiver um professor adepto de armas de fogo, ele poderia muito bem acabar com o ataque muito rapidamente”, defendeu Trump,...

Em cerimônia na Casa Branca em fevereiro de 2018, após massacre a tiros que matou 17 pessoas na escola de ensino médio Marjory Stoneman Douglas High School, na Flórida, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu a ideia de que a solução para atentados em colégios seria “armar professores e treinadores“.

“Um ataque dura, em média, cerca de três minutos. Leva de cinco a oito minutos para os socorristas, para a polícia entrar, então o ataque acabou. Se você tiver um professor adepto de armas de fogo, ele poderia muito bem acabar com o ataque muito rapidamente”, defendeu Trump, na ocasião.

Nesta terça-feira (13), após o atentado cometido por dois jovens armados que deixou 10 mortos na escola estadual Raul Brasil, em Suzano, o senador Major Olímpio (PSL/SP) defendeu a mesma ideia.

“Se os professores estivessem armados, se os serventes estivessem armados, essa tragédia teria sido evitada”, disse Olímpio, em em pronunciamento durante reunião da Comissão de Constituição de Justiça (CCJ). Para o senador, não permitir acesso a armas para “cidadãos de bem” foi nocivo à sociedade.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.