Imprensa livre e independente
02 de abril de 2019, 06h00

Após ‘engasgar’ chanceler, Sâmia Bomfim quer explicações de Damares

Posição contrária do Brasil sobre universalização da saúde reprodutiva e sexual feminina está diretamente ligada ao Ministério da Mulher; ministra fala hoje a comissão da Câmara

Sâmia Bomfim: feminicídio e homeshcooling também estão na pauta da deputada com a ministra - Foto: Divulgação/Facebook
Após enquadrar o chanceler Ernesto Araújo na semana passada, a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) busca resposta junto à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos respostas que possam justificar a posição contrária do governo brasileiro à inclusão de menções sobre a universalização de serviços de saúde reprodutiva e sexual feminina, no mais importante evento da ONU dedicado a discutir direitos das mulheres. O questionamento da parlamentar será feito nesta terça-feira (01), quando a ministra participará de reunião da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, onde deve ficar cara a cara com outras deputadas do campo progressista,...

Após enquadrar o chanceler Ernesto Araújo na semana passada, a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) busca resposta junto à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos respostas que possam justificar a posição contrária do governo brasileiro à inclusão de menções sobre a universalização de serviços de saúde reprodutiva e sexual feminina, no mais importante evento da ONU dedicado a discutir direitos das mulheres.

O questionamento da parlamentar será feito nesta terça-feira (01), quando a ministra participará de reunião da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, onde deve ficar cara a cara com outras deputadas do campo progressista, como Alice Portugal (PCdoB-BA), Tabata Amaral (PDT-SP), Luizianne Lins (PT-CE) e Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Sâmia garante que está levantando mais dados para confrontar a posição do Brasil sobre o tema – que implica em políticas a respeito de planejamento familiar, gravidez na adolescência, mortalidade materna, acesso a contraceptivos, combate a proliferação de DSTs, entre outros.

“A ministra não estava na ONU, mas precisa se posicionar porque são temas diretamente ligados à sua pasta”, pontua a deputada.

Veja também:  Programa Mais Médicos agoniza e caminha para o fim

Na última quarta-feira (27), ao ser confrontado por Sâmia, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, gaguejou ao ser questionado pela parlamentar, tergiversou – falando sobre promoção do aborto – e precisou ser “salvo” pelo deputado federal e filho do presidente da República, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Feminicídio

A ausência de projetos para o combate ao feminicídio e a outros tipos de violência contra a mulher será outro eixo importante dos questionamentos das deputadas do campo progressista a Damares.

Para Sâmia Bomfim, as únicas manifestações da ministra sobre o tema até agora apenas reforçam o machismo e os padrões de gênero. A parlamentar lembra de declarações, no Dia Internacional da Mulher, de que os meninos seriam ensinados a entregar flores e abrir a porta do carro para as meninas.

Homeschooling

Após responder os questionamentos da comissão, Damares deve participar do lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Homeschooling – bandeira do governo Bolsonaro e da ministra, a despeito da posição contrária do Supremo Tribunal Federal (STF). No entanto, vários projetos tramitam no Congresso com o propósito de regulamentar o ensino em casa, sob a responsabilidade dos pais.

Veja também:  Doria considera “inoportunos” atos de apoio a Bolsonaro

Sâmia Bomfim afirma que, mesmo não sendo objeto direto da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, vai abordar o tema com a ministra nesta terça-feira.

A deputada afirma que a proposta busca viabilizar uma educação que não estimula a crítica e está relacionada ao lobby de Damares junto a setores evangélicos.

 

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum