01 de dezembro de 2015, 14h33

Após Maju e Taís Araújo, outra global é vítima de racismo nas redes: “Não posso me calar”

Cris Vianna, que interpreta a personagem Indira Dourado na novela A Regra do Jogo, recebeu comentários preconceituosos em sua página oficial do Facebook na noite do último domingo: "Se meu trabalho me permite alguma expressividade, usarei minha voz por muitos que sofrem esse tipo de ataque racista diariamente e voltam para casa calados, cansados de não serem ouvidos".

Cris Vianna, que interpreta a personagem Indira Dourado na novela A Regra do Jogo, recebeu comentários preconceituosos em sua página oficial do Facebook: “Se meu trabalho me permite alguma expressividade, usarei minha voz por muitos que sofrem esse tipo de ataque racista diariamente e voltam para casa calados, cansados de não serem ouvidos” Por Redação Depois da jornalista Maria Júlia Coutinho, a Maju, e da atriz Taís Araújo, outra global foi alvo de discriminação racial nas redes. Cris Vianna, que interpreta a personagem Indira Dourado na novela A Regra do Jogo, recebeu comentários preconceituosos em sua página oficial do Facebook na noite do...

Cris Vianna, que interpreta a personagem Indira Dourado na novela A Regra do Jogo, recebeu comentários preconceituosos em sua página oficial do Facebook: “Se meu trabalho me permite alguma expressividade, usarei minha voz por muitos que sofrem esse tipo de ataque racista diariamente e voltam para casa calados, cansados de não serem ouvidos”

Por Redação

Depois da jornalista Maria Júlia Coutinho, a Maju, e da atriz Taís Araújo, outra global foi alvo de discriminação racial nas redes. Cris Vianna, que interpreta a personagem Indira Dourado na novela A Regra do Jogo, recebeu comentários preconceituosos em sua página oficial do Facebook na noite do último domingo (29).

Na segunda-feira (30), ela utilizou sua fanpage, o mesmo espaço em que foi agredida, para denunciar o episódio. “Não posso me calar. Se meu trabalho me permite alguma expressividade, usarei minha voz por muitos que sofrem esse tipo de ataque racista diariamente e voltam para casa calados, cansados de não serem ouvidos, para chorar sozinhos. Como todos vocês, tenho orgulho da minha pele, do meu cabelo, da minha origem e de tudo o que sou. Do que somos. E não estamos sozinhos”, escreveu.

Confira o relato na íntegra:

Infelizmente, ainda passamos por isso em pleno 2015. Recentemente, a vítima foi a competente jornalista Maria Júlia…

Posted by Cris Vianna on Segunda, 30 de novembro de 2015