Após repercussão negativa, jornalista apaga postagem em que divulgava celular de desembargador | Revista Fórum
08 de julho de 2018, 21h46

Após repercussão negativa, jornalista apaga postagem em que divulgava celular de desembargador

Claudio Tognolli, professor de jornalismo da USP, em uma clara tentativa de incentivar o linchamento, divulgou o celular do desembargador que mandou soltar Lula. Após chefe do departamento de sua universidade condenar a atitude, jornalista apagou a publicação

Foto: Reprodução

O jornalista e professor de jornalismo da Universidade de São Paulo (USP), Claudio Tognolli, apagou há pouco o tuíte em que divulgava o número de celular do desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), Rogério Favreto.

A atitude de Tognolli, que costuma a tecer críticas ferrenhas à Lula e ao PT, foi uma clara tentativa de incentivar o linchamento do desembargador que concedeu um habeas corpus ao petista na manhã deste domingo (8). Mais tarde, o habeas corpus viria a ser cassado pelo presidente do TRF4.

Antes de Tognolli apagar a publicação, o chefe do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da USP (ECA-USP), Dennis de Oliveira, condenou, em nota, a atitude do jornalista. “Acredito que o debate político e jurídico não pode ser feito a partir dessas tentativas de criar linchamento de pessoas. Esse não é o jornalismo que ensinamos na ECA e essa postura não corresponde à visão do curso de jornalismo da USP que temos implementado”, escreveu Dennis. Saiba mais aqui.