Imprensa livre e independente
27 de dezembro de 2018, 13h11

Após vídeo com agressões do ex viralizar, advogada diz que está se fortalecendo

Luciana Sinzimbra, de Goiânia, conseguiu filmar a violência que sofreu com um celular escondido. Ainda abalada emocionalmente, ela diz que pretende ajudar no combate à violência contra a mulher

Foto: Reprodução/Redes sociais
Após o vídeo em que é agredida pelo namorado viralizar na internet, a advogada Luciana Sinzimbra, de 26 anos, disse que está se fortalecendo. “Graças a Deus estou bem fisicamente, porém, abalada emocionalmente. Quanto aos vídeos, estes foram divulgados sem o meu consentimento e se tornaram virais, exigindo de mim uma postura que não me sinto ainda preparada, mas estou me fortalecendo para me pronunciar em breve e ajudar no combate à violência doméstica. Espero que tudo se resolva da melhor forma possível”, afirmou a jovem. As imagens foram gravadas no dia 15 de dezembro, em Goiânia, com um celular escondido...

Após o vídeo em que é agredida pelo namorado viralizar na internet, a advogada Luciana Sinzimbra, de 26 anos, disse que está se fortalecendo. “Graças a Deus estou bem fisicamente, porém, abalada emocionalmente. Quanto aos vídeos, estes foram divulgados sem o meu consentimento e se tornaram virais, exigindo de mim uma postura que não me sinto ainda preparada, mas estou me fortalecendo para me pronunciar em breve e ajudar no combate à violência doméstica. Espero que tudo se resolva da melhor forma possível”, afirmou a jovem.

As imagens foram gravadas no dia 15 de dezembro, em Goiânia, com um celular escondido dentro do quarto. Luciana pede insistentemente para que Victor Augusto do Amaral Junqueira, de 24 anos, parasse de bater nela. Mas as agressões continuam, em um momento ele chega a apertar o pescoço dela com as duas mãos. “Você vai me matar desse jeito. Para! Para com isso!”, dizia Luciana a ele.

No mesmo dia da violência, a advogada procurou a Delegacia da Mulher de Goiânia e registrou um boletim de ocorrência contra o ex-namorado e pediu medidas protetivas.

Veja também:  Jornalista é ‘desconvidada’ para presidência da Fundação Padre Anchieta por ter apoiado Márcio França

Violência contra a mulher

Somente no primeiro semestre de 2018, o balanço da Central de Atendimento à Mulher mostra que foram registrados 38.364 tipos de violência a mulher por meio do Ligue 180. Destes, 43,3% foram motivados pela violência física – aquela em que a integridade ou saúde corporal são afetadas.  

Já o 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública revelou que em 2017 o Brasil teve 221.238 registros de violência doméstica, o que significa 606 casos por dia. São registros de lesão corporal dolosa enquadrados na Lei Maria da Penha.

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum