04 de maio de 2018, 22h37

Apresentadora da GloboNews envia resposta à nota da Fórum

Fórum noticiou a resposta de um bombeiro à pergunta de Aline Midlej sobre o prédio que desabou em São Paulo e jornalista procurou a redação para se posicionar. Confira

A jornalista Aline Midlej, apresentadora de um jornal da GloboNews, enviou à Fórum na noite desta sexta-feira (4) uma resposta a uma nota publicada mais cedo sobre a reação de um bombeiro à uma pergunta sua sobre o prédio que desabou após um incêndio em São Paulo.

“Nós não estamos preocupados se é invadido. Estamos preocupados com as vítimas”, disse o bombeiro, ao vivo, à jornalista, conforme consta na nota publicada.

Na resposta enviada à Fórum, Midlej afirma que o vídeo que baseou a nota foi editado e a resposta do bombeiro colocada fora de contexto. A apresentadora questiona ainda a utilização do termo “menina” para se referir a ela no texto.

“Fiquei muito surpresa com esse texto, por vários motivos. Estranho que uma publicação com espaço para as causas feministas e de tantas minorias, ataque uma jornalista com um texto não assinado e um vídeo que não reflete a verdade factual: foi editado com a clara intenção de me expor. A entrevista completa dá conta de todas as questões relacionadas às vítimas. A minha pergunta sobre uma vistoria que atestou a insegurança no edifício que ruiu em nada culpabiliza os moradores, que nem foram citados. Dizer que criminalizei os movimentos de moradia é mentiroso. A vistoria foi feita e incluída num inquérito que, se tivesse sido levado adiante, poderia ter evitado a tragédia. As autoridades não devem ser cobradas se foram omissas? O Capitão Palumbo optou por não responder ao questionamento, mas fiz a tarefa básica do Jornalismo: perguntar. Além disso, o tom machista da nota fica evidente no título. Não sou “menina” da Globo News, nunca me identifiquei assim e minha carreira sempre foi ancorada na temática social.”, escreveu Midlej.

Fórum esclarece que o termo “menina” foi usado de forma irônica, mas que, fora de contexto. E por isso, se a jornalista se sentiu ofendida, pede desculpas. Ponderamos, contudo, que o termo não foi utilizado com o intuito de atacá-la pessoalmente, mas de expor a forma infantil e machista como os próprios profissionais da GloboNews se tratam. Foram próprios apresentadores da emissora que criaram a alcunha “meninas da GloboNews“. E segue um Tweet como exemplo. A partir desta nossa ponderação, sugerimos que isso seja também ponderado na redação da Globonews.