15 de setembro de 2014, 13h23

Artistas e intelectuais lançam manifesto em apoio a Dilma Rousseff

Em carta, personalidades afirmam que é preciso aprofundar as mudanças em curso no Brasil e que não é hora de retomar políticas que só desoneram o povo brasileiro.

Em carta, personalidades afirmam que é preciso aprofundar as mudanças em curso no País e que não é hora de retomar políticas que só desoneram o povo brasileiro

Por Redação

Acontece nesta segunda-feira (15), na cidade do Rio de Janeiro, às 19h, ato dos artistas e intelectuais que apoiam a candidatura de Dilma Rousseff à Presidência da República. Além do ato em si, personalidades como Chico Buarque, Beth Carvalho, Ângela Vieira, Marilena Chauí, Chico César, Marieta Severo, Otto, entre outros, lançaram hoje um manifesto em apoio à presidenta.

No texto, eles afirmam que é chegada a hora do Brasil escolher qual caminho vai seguir: o atual, que deve ser aprofundado, ou se o país “deve voltar ao Brasil de antes, o do desemprego, da entrega, da pobreza e da humilhação”. Os signatários também consideram que o País nunca viveu um “processo tão profundo e prolongado de mudança e justiça social”.

De acordo com o manifesto, “abandonar este caminho para retomar fórmulas econômicas que protegem os privilegiados de sempre seria um enorme retrocesso”. A carta não perde o seu lado crítico e diz que junho de 2013 mandou o seu recado. “O Brasil precisa urgentemente de uma reforma política. Mas precisa mudar avançando e não recuando”, diz o texto.

Para aderir e saber quais outras personalidades assinaram o manifesto, clique aqui.

A seguir, confira o texto na íntegra:

“A PRIMAVERA DOS DIREITOS DE TODOS:
GANHAR PARA AVANÇAR

Os brasileiros decidem agora se o caminho em que o país está desde 2003 é positivo e deve ser mantido, melhorado e aprofundado, ou se devemos voltar ao Brasil de antes – o do desemprego, da entrega, da pobreza e da humilhação.
Nós consideramos que nunca o Brasil havia vivido um processo tão profundo e prolongado de mudança e de justiça social, reconhecendo e assegurando os direitos daqueles que sempre foram abandonados.

Consideramos que é essencial assegurar as transformações que ocorreram e ocorrem no país, e que devem ser consolidadas e aprofundadas. Só assim o Brasil será de verdade um país internacionalmente soberano, menos injusto, menos desigual, mais solidário.

Abandonar esse caminho para retomar fórmulas econômicas que protegem os privilegiados de sempre seria um enorme retrocesso. O brasileiro já pagou um preço demasiado para beneficiar os especuladores e os gananciosos. Não se pode admitir voltar atrás e eliminar os programas sociais, tirar do Estado sua responsabilidade básica e fundamental.

O Brasil precisa, sim, de mudanças, como as próprias manifestações de rua do ano passado revelaram. Precisa, sem dúvida, reformular as suas políticas de segurança pública e de mobilidade urbana. Precisa aprofundar as transformações na educação e na saúde públicas, na agricultura, consolidando com ousadia as políticas de cultura, meio ambiente, ciência e tecnologia, e combatendo, sem trégua, todas as discriminações.

O Brasil precisa urgentemente de uma reforma política. Mas precisa mudar avançando e não recuando. Necessita fortalecer e não enfraquecer o combate às desigualdades. O caminho iniciado por Lula e continuado por Dilma é o da primavera de todos os brasileiros. Por isso apoiamos Dilma Rousseff.”

Foto: AdoroCinema