11 de junho de 2015, 11h42

As novas “Rosies”: série de retratos celebra mulheres metalúrgicas nos EUA

Inspirada em "Rosie, a rebitadeira", símbolo das mulheres que passaram a trabalhar na indústria metalúrgica no país durante a Segunda Guerra, mostra fotográfica em Los Angeles homenageia trabalhadoras do século 21

Inspirada em “Rosie, a rebitadeira”, símbolo das mulheres que passaram a trabalhar na indústria metalúrgica no país durante a Segunda Guerra, mostra fotográfica em Los Angeles homenageia trabalhadoras do século 21. Confira Da Revista Samuel | Fotos: Deanne Fitzmaurice Foi durante a Segunda Guerra Mundial que a personagem “Rosie the Riveter”, ou “Rosie, a Rebitadeira”, se tornou um ícone cultural nos Estados Unidos. Ela simbolizava as mulheres que passaram a trabalhar na indústria metalúrgica, nos até então considerados “trabalhos de homem”, enquanto eles faziam a guerra na Europa. Com o fim da guerra e a volta dos soldados aos EUA, o governo...

Inspirada em “Rosie, a rebitadeira”, símbolo das mulheres que passaram a trabalhar na indústria metalúrgica no país durante a Segunda Guerra, mostra fotográfica em Los Angeles homenageia trabalhadoras do século 21. Confira

Da Revista Samuel | Fotos: Deanne Fitzmaurice

Foi durante a Segunda Guerra Mundial que a personagem “Rosie the Riveter”, ou “Rosie, a Rebitadeira”, se tornou um ícone cultural nos Estados Unidos. Ela simbolizava as mulheres que passaram a trabalhar na indústria metalúrgica, nos até então considerados “trabalhos de homem”, enquanto eles faziam a guerra na Europa.

Com o fim da guerra e a volta dos soldados aos EUA, o governo do país abandonou a campanha que utilizava Rosie e o slogan que dizia às mulheres “Nós podemos!” e passou a incentivá-las a abandonar os empregos – e a renda e a liberdade financeira – que elas tinham conquistado nos anos anteriores. Desde então, a metalurgia nos EUA segue dominada por homens – eles são 87% dos empregados no setor no país.

Duas organizações norte-americanas pretendem mudar isso. A coalizão Jobs to Move America e a Aliança de Los Angeles Para Uma Nova Economia organizaram a mostra fotográfica Women Can Build (Mulheres Podem Construir), em exibição na Los Angeles Union Station, estação de trem da cidade da Califórnia. A mostra traz retratos das novas Rosies da indústria metalúrgica norte-americana, feitos pela fotógrafa Deanne Fitzmaurice. O objetivo é celebrar as mulheres que trabalham no sistema de transportes dos EUA e incentivar a contratação de mulheres por empresas do setor, que paga melhor e oferece mais estabilidade do que o setor de serviços, por exemplo.

Veja a seguir os retratos e conheça algumas das mulheres que mantêm os EUA nos trilhos.

novas-rosies1

Ami Rasmussen trabalhou como mecânica quando serviu o Exército dos EUA e hoje é uma das 12 mulheres na fábrica de trens em que trabalha na Califórnia

novas-rosies2

Judith Mejia Melendez trabalha como pintora em uma montadora de ônibus em Minnesota

Dr Beverly Scott, head of MBTA in Boston, Massachusetts.

Dr. Beverly Scott acabou de se aposentar como gerente geral da secretaria de Transportes de Massachusetts e é uma das poucas mulheres negras no topo do setor nos EUA

novas-rosies4

Donna Comp-Penwarden trabalha como inspetora em fábrica de trens em Illinois

New Flyer bus factory.

Brenda Martinez Shroeder trabalha na linha de montagem de uma montadora de ônibus em Minnesota

novas-rosies6

Lilla Wallace trabalha como especialista de limpeza em um centro de manutenção de vagões em Los Angeles

New Flyer bus factory.

Maria Rothstein trabalha como técnica de montagem em montadora de ônibus em Minnesota

novas-rosies9

Cartas original de “Rosie, a rebitadeira”