31 de janeiro de 2019, 17h55

Atingidos por barragens convocam ato contra a Vale e em homenagem às vítimas de Brumadinho

Organizada pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), manifestação que acontecerá nesta sexta-feira (1), em São Paulo, visa pedir a punição da empresa de mineração responsável pela tragédia em Brumadinho e prestar homenagem às vítimas; até agora, 100 mortes foram confirmadas

Foto: MAB
O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) está organizando para essa sexta-feira (1), em São Paulo, um ato em homenagem às vítimas do crime ambiental e humano de Brumadinho (MG) e com o objetivo de denunciar a negligência da Vale e pedir punição à empresa. O ato acontecerá exatamente uma semana após o rompimento da barragem na Mina do Feijão. De acordo com números atualizados dos bombeiros e da polícia, foram confirmadas, até agora 100 mortes. 257 pessoas ainda estão desaparecidas e outras 176 ficaram desalojadas. Em nota divulgada no dia 26, o MAB denunciou a responsabilidade da Vale e...

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) está organizando para essa sexta-feira (1), em São Paulo, um ato em homenagem às vítimas do crime ambiental e humano de Brumadinho (MG) e com o objetivo de denunciar a negligência da Vale e pedir punição à empresa. O ato acontecerá exatamente uma semana após o rompimento da barragem na Mina do Feijão.

De acordo com números atualizados dos bombeiros e da polícia, foram confirmadas, até agora 100 mortes. 257 pessoas ainda estão desaparecidas e outras 176 ficaram desalojadas.

Em nota divulgada no dia 26, o MAB denunciou a responsabilidade da Vale e do poder público na tragédia. “As evidências de mais um crime socioambiental de incalculáveis dimensões nos agridem novamente. O poder público não escutou as comunidades e atuou em favor do poder corporativo para flexibilizar as licenças de ampliação do complexo de barragens em dezembro de 2018”, escreveu o movimento.

Leia também
Advogado da Vale diz que mineradora não é responsável por rompimento de barragem em Brumadinho

No ato convocado, a ideia é fazer pressão para que a empresa seja punida e para que a Justiça tome providências. Responsável também pela barragem que se rompeu e vitimou 19  pessoas, entre mortos e desaparecidos, em Mariana (MG), em 2015, a Vale ainda não indenizou as famílias que ficaram desalojadas.

“Precisamos nos solidarizar aos atingidos e denunciar mais este crime cometido pela Vale”, alertaram os organizadores do ato, que pedem ainda para que as pessoas levem velas para fazer uma vigília em homenagem às vítimas.

O ato acontece a partir das 18h na Praça da Sé, região central da capital paulista.