Imprensa livre e independente
09 de maio de 2019, 09h16

Atiradores de Suzano treinaram clandestinamente em estande. Com decreto de Bolsonaro fica liberado

O conselheiro do Condepe, Ariel de Castro Alves, afirma que, com a chancela do Governo, novos massacres virão sob o lema ‘Deus acima de todos!’”

Montagem: Viomundo
De acordo com Ariel de Castro Alves, advogado, especialista em direitos da infância e juventude e conselheiro do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), os dois adolescentes suspeitos do massacre de Suzano, Guilherme Taucci e  Luiz Henrique de Castro, “ingressaram clandestinamente, sem autorização judicial, por falha do estande de tiro do Shopping Tatuapé, e treinaram para o Massacre de Suzano”. O conselheiro alerta que, a partir de “agora o governo está liberando, por decreto, crianças e adolescentes (0 a 18 anos) para utilizarem armas de fogo nos clubes e estandes de tiro, bastando uma autorização do pai, mãe ou...

De acordo com Ariel de Castro Alves, advogado, especialista em direitos da infância e juventude e conselheiro do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), os dois adolescentes suspeitos do massacre de Suzano, Guilherme Taucci e  Luiz Henrique de Castro, “ingressaram clandestinamente, sem autorização judicial, por falha do estande de tiro do Shopping Tatuapé, e treinaram para o Massacre de Suzano”.

O conselheiro alerta que, a partir de “agora o governo está liberando, por decreto, crianças e adolescentes (0 a 18 anos) para utilizarem armas de fogo nos clubes e estandes de tiro, bastando uma autorização do pai, mãe ou responsável, que pode ser facilmente falsificada a assinatura”.

“E com a chancela do Governo novos massacres virão sob o lema ‘Deus acima de todos!’”, lamenta Ariel.

Relembre

A Folha de S.Paulo informou, em março, que cinco dias antes do massacre na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, o atirador Guilherme Taucci, 17, e o jovem de 17 anos apreendido como terceiro suspeito de planejar o crime foram até um estande de tiros e treinaram disparos com armas airsoft e arco e flechas.

Veja também:  "Se atitude significa ser subserviente, não é realmente o nosso caso", rebate Flávio Dino a Dória

Um vídeo mostra os dois recebendo instruções de um funcionário na loja Clube da Mira, no Shopping Tatuapé, na zona leste da capital paulista. O jovem suspeito segura o casaco de Guilherme Taucci, enquanto ele examina um arco e flecha.

O massacre de Suzano resultou na morte de dez pessoas, entre alunos, funcionários da escola, um parente de aluno e os dois suspeitos. Segundo a polícia, Guilherme Taucci, o atirador mais jovem, matou o comparsa Luiz Henrique de Castro e logo em seguida cometeu suicídio. Ambos eram ex-alunos da escola.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum