A arte do flerte: consentimento, estereótipos de gênero e dominação masculina

Por Thaís Campolina googletag.cmd.push(function() { googletag.display('div-gpt-ad-1495221259906-0'); });...

Por Thaís Campolina

Muitos homens acham que insistir, pressionar e manipular situações para conseguir sexo é um comportamento aceitável, natural até. Esses caras acham que só é violência, que só há violação no consentimento, se obrigar, de forma direta, a mulher a fazer alguma coisa.

Nesse mesmo sentido, há quem fale que as mulheres têm agência e que elas precisam se responsabilizar por não ter conseguido dizer “não” COM TODAS AS LETRAS E TIL, mesmo quando elas negam fisicamente as tentativas de contato mais íntimo várias vezes. Dizer que mulheres devem se responsabilizar por não terem expressado o não de forma direta, firme e verbal ignora que consentimento não é “ceder às investidas”.

É o próprio jogo sexual padrão que coloca mulheres como seres sem agência que não sabem bem o que querem e precisam ser pressionadas para fazerem o que supostamente desejam no íntimo. Não é a gente que faz isso ao questionar o quão nocivo é considerarem ceder consentir.

Homens e mulheres precisam detonar essa dinâmica sexual que coloca as mulheres no lugar de pessoa que cede, porque isso alimenta a visão dos caras de que insistir faz parte do jogo, que pode continuar insistentemente porque ela está fazendo charminho, que pressionar é o caminho natural das coisas.

É essencial que a gente combata a reprodução dessa lógica na gente, que a gente aprenda a dizer não, mas acho que é ainda mais necessário, a sociedade entender que muitas vezes os caras notam o desconforto, mas insistem porque não se importam, porque foram ensinados que é assim mesmo ou até mesmo por considerarem que é assim que é bom, que conseguir após insistência faz a conquista ser mais valiosa.

Noto que a maioria das pessoas se lembra de cobrar que a mulher diga não com todas as letras, ignorando os possíveis riscos que esse não pode representar dependendo da situação, mas esquece de reivindicar que caras respeitem sinais óbvios de desconforto, perguntem mais e notem que a pessoa com quem eles querem transar também é gente, tem seus desejos, seus gostos, suas dúvidas e seu tempo.

A paquera não pode funcionar como um jogo que tem como único perdedor a mulher. E insistir, pressionar e manipular situações para obter o sexo desejado é ver a conquista e as relações sexuais assim.

A paquera tem que ser encarada como uma ação conjunta, na qual os envolvidos têm agência e dizem sim, não, não gosto disso, prefiro assim e têm suas falas consideradas. Só que as relações entre homens e mulheres partem de locais desiguais em que as mulheres são ensinadas a cederem e homens a insistirem, dinâmica que desencoraja que o “não” feminino seja expresso ou mesmo respeitado, já que a negativa pode ser encarada como uma afronta, uma grosseria ou mesmo um desafio a mais.

Para que o flerte seja uma ação conjunta é preciso tentar equilibrar as relações de poder envolvidas de forma consciente. Se há uma dificuldade de mulheres dizerem “não” de forma direta e assertiva, torna-se necessário não só que a gente encoraje mulheres a dizerem, mas que homens tomem a consciência de que é preciso respeitar sinais corporais e comportamentais óbvios, expressos através de uma negativa verbal ou não verbal, aprender quais são esses sinais, caso não saibam, e entender que insistir em um comportamento sexual ao notarem que a mulher agiu de alguma forma para impedi-lo é tentar vencer pelo cansaço. E vencer pelo cansaço não é consentimento.

Texto originalmente publicado na página do Facebook da autora. Ele também saiu no site Casa da Mãe Joanna e na Revista Subjetiva.

Observação sobre a imagem usada: A fotografia feita por Alfted Eisenstaedt se tornou uma das imagens mais icônicas do século XX. As pessoas a aplaudem pela ousadia, pela paixão e por essa foto ter sido feita na comemoração do fim da 2ª Guerrra, porém a desconhecida da foto já alegou mais de uma vez que não foi uma escolha dela ser beijada. Ela foi agarrada de repente, mas pouco se fala sobre isso.