20 de julho de 2018, 09h59

Ativista do Complexo do Alemão, Rene Silva está na lista dos negros mais influentes do mundo

Aos 24 anos, ele ganhou notoriedade por narrar, em tempo real, a ocupação da comunidade, pelas Forças Armadas em 2010

(Foto: Divulgação/ Facebook)
Rene Silva, um jovem de 24 anos, que mora no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, foi considerado um dos 100 negros mais influentes do mundo em 2018, segundo informou o colunista Ancelmo Gois. O reconhecimento internacional foi concedido pela organização Mipad (Most Influential People of African Descent, ou Afrodescendentes mais influentes, em português), de Nova Iorque. Ele passou a se tornar uma pessoa conhecida ainda muito jovem, segundo reportagem de Madson Gama, para o Globo. Rene Silva usou sua conta no Twitter para transmitir os primeiros registros da ocupação do Complexo do Alemão, onde mora, pelas Forças Armadas...

Rene Silva, um jovem de 24 anos, que mora no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, foi considerado um dos 100 negros mais influentes do mundo em 2018, segundo informou o colunista Ancelmo Gois. O reconhecimento internacional foi concedido pela organização Mipad (Most Influential People of African Descent, ou Afrodescendentes mais influentes, em português), de Nova Iorque.

Ele passou a se tornar uma pessoa conhecida ainda muito jovem, segundo reportagem de Madson Gama, para o Globo. Rene Silva usou sua conta no Twitter para transmitir os primeiros registros da ocupação do Complexo do Alemão, onde mora, pelas Forças Armadas em 2010, quando tinha 17 anos. As primeiras informações sobre a operação vieram da página do “Voz das Comunidades”, jornal comunitário que ele criou em 2005. A partir daí, Rene se apegou não só ao compromisso de informar sua vizinhança no Alemão, mas também o de levar a voz da favela para fora dos seus limites.

De acordo com ele, seu nome foi indicado à Mipad pela Unesco Brasil. Ele afirmou estar feliz e surpreso. Seu trabalho com o jornal “Voz das Comunidades” e sua atuação humanitária dentro de favelas contribuíram para sua nomeação. O jovem afirmou que promove ações gratuitas dentro do Complexo do Alemão e de outras comunidades, como Rocinha, Cidade de Deus e Complexo da Maré.

“Além de todo o trabalho de comunicação desenvolvido, o jornal promove ações de páscoa, Natal, Dia das Crianças; atendimento psicológico; além de cursos de idiomas para todas as idades. Temos cem vagas para as aulas de inglês no segundo semestre, por exemplo. E, pelo que eu li sobre essa homenagem, eles escolhem as pessoas que têm um trabalho em exercício há muitos anos, que vêm construindo devagar a sua história. Esse conjunto de ações sociais me ajudou”, revelou.