19 de maio de 2014, 22h26

Após ato racista, funcionária do Barcelona é demitida

Durante partida da terceira divisão do Campeonato Espanhol, torcedora imitou macaco para o jogador marfinense Mamadou Koné

Durante partida da terceira divisão do Campeonato Espanhol, torcedora imitou macaco para o jogador marfinense Mamadou Koné

Por Redação

Neste domingo (18), durante uma partida da terceira divisão do Campeonato Espanhol, uma torcedora imitou um macaco como forma de provocar o jogador marfinense Mamadou Koné, do Racing. A mulher, que não teve a sua identidade revelada, era funcionária do museu do Barcelona, o mais visitado da Catalunha, foi demitida nesta segunda-feira (19).

Além de ter sido demitida, a autora do gesto racista foi banida de entrar no estádio pelo Llagostera e a prefeitura da cidade que dá nome ao estádio divulgou uma nota em repúdio ao comportamento da torcedora. O jogador Koné preferiu não comentar o ato, mas, em seu perfil Twitter, declarou que não falaria nada respeito e que o ato dela “já se retrata por si só”. O Barcelona ainda não se pronunciou sobre o ocorrido.

A imagem com a torcedora imitando um macaco percorreu o mundo por meio das redes sociais e chocou parte dos torcedores que estavam no local. Vale lembrar que mais recentemente o jogador brasileiro pelo Barcelona, Daniel Alves, foi vítima de racismo quando um torcedor do Villarreal arremessou uma banana em sua direção. O lateral, por sua vez, comeu a banana num gesto que repercutiu no mundo inteiro.

(Foto: Reprodução)