Imprensa livre e independente
09 de abril de 2019, 09h48

Atraso de Bolsonaro na exoneração fez Vélez ganhar 120 mil reais com auxílio-mudança

Caso saísse antes de completar 90 dias no cargo, o ex-ministro teria que devolver R$ 61 mil que recebeu de auxílio-mudança. E não receberia mais R$ 60 mil para a mudança da volta

Foto: Lula Marques
De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, na Folha desta terça-feira (9), a demora para a exoneração do ex-ministro da Educação, Ricardo Vélez, o acabou favorecendo. Caso saísse antes de completar 90 dias no cargo, o ex-ministro teria que devolver aos cofres públicos os R$ 61 mil que recebeu de auxílio-mudança. Para complicar ainda mais a situação, com o prazo cumprido, o ex-ministro ganhou o direito de receber cerca de R$ 60 mil para fazer a mudança de volta, caso retorne à cidade de Londrina, no Paraná, onde dava aulas. A exoneração de Vélez, já era dada como...

De acordo com informações da coluna de Mônica Bergamo, na Folha desta terça-feira (9), a demora para a exoneração do ex-ministro da Educação, Ricardo Vélez, o acabou favorecendo. Caso saísse antes de completar 90 dias no cargo, o ex-ministro teria que devolver aos cofres públicos os R$ 61 mil que recebeu de auxílio-mudança.

Para complicar ainda mais a situação, com o prazo cumprido, o ex-ministro ganhou o direito de receber cerca de R$ 60 mil para fazer a mudança de volta, caso retorne à cidade de Londrina, no Paraná, onde dava aulas.

A exoneração de Vélez, já era dada como favas contadas há semanas. Crises sucessivas na pasta vinham expondo uma disputa entre militares e seguidores do escritor Olavo de Carvalho.

A jornalista Eliane Cantanhêde chegou a anunciar a sua demissão, em uma ‘barrigada’ (gíria para erro no jornalismo) histórica na sua conta do Twitter.

“Acabo de anunciar no GloboNews Em Pauta: Bolsonaro decidiu demitir o ministro da Educação, Velez Rodrigues. Os motivos são óbvios.”

Veja também:  Dez motivos que mostram por que a bandeira “Lula Livre” é imprescindível ao país

A própria Cantanhêde, em artigo publicado no domingo (7), afirmou considerar um mistério o fato de Vélez ainda estar no governo. “E esse mistério fica ainda pior porque Bolsonaro já tinha decidido a demissão antes da viagem a Israel, mas preferiu ficar fritando o ministro em público do que fazer o que tinha de fazer. Por fim, avisou na sexta que pretende defenestrá-lo amanhã. Avisar três dias antes, pela mídia, que pretende demitir alguém?!”, indagou a colunista.

Talvez esteja aí, nos R$ 120 mil de bônus, a resposta para o enigma.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum