30 de agosto de 2018, 22h40

Autora de livro citado por Bolsonaro dispara: “Pessoa sem respeito e desonesta”

A francesa Hélène Bruller, autora do livro sobre sexualidade que Bolsonaro acusa de forma falaciosa de compor o "kit gay" e de estimular a pedofilia, ironizou a obsessão do candidato com o tema: "Eu acho que as obsessões do senhor Bolsonaro dizem muito sobre o que ele próprio tem na cabeça"

Reprodução/TV Globo

Em entrevista concedida ao jornal El País e divulgada nesta quinta-feira (30), a escritora francesa Hélène Bruller falou sobre o fato de Jair Bolsonaro (PSL) estar usando seu livro sobre sexualidade para se promover e divulgar fake news. Na última terça-feira (28), em entrevista ao ‘Jornal Nacional’, o capitão da reserva tentou mostrar o livro “Aparelho Sexual e Cia”, de Bruller, para dizer que a obra fazia parte do que ele chama de “kit gay” – nome pejorativo para o programa Escola Sem Homofobia.

Acontece que o programa nunca chegou a ser implementado e o livro – publicado pelo selo adolescente da editora Companhia das Letras no Brasil – sequer fazia parte do material do projeto – a contrario do que sustenta Bolsonaro. Segundo o deputado federal, o livro teria sido, inclusive, distribuído em escolas públicas, informação que já foi desmentida há mais de dois anos pelo Ministério da Educação.

Leia também
Aliança LGBTI vai acionar TSE e MPE contra mentiras de Bolsonaro no Jornal Nacional

Ao El País, Bruller afirmou que soube recentemente que um candidato no Brasil vem citando, de forma negativa, seu livro, mas levou para o lado positivo. Para a escritora, as citações de Bolsonaro podem fazer com que aumentem as vendas da obra.

“O senhor Bolsonaro sabe muito bem que, ao dizer coisas ruins sobre o meu livro, ele aumenta consideravelmente as vendas. Então eu me pergunto: será que o senhor Bolsonaro quer divulgar o meu livro? Inconscientemente, eu até acho que sim. Eu acho que lá no fundo do Bolsonaro existe um pequeno garoto, o petit Jair, que teria adorado que, na sua infância, lhe tivessem dado de presente um exemplar do Aparelho Sexual e Cia ao invés de ficarem, com caras transtornadas, berrando e dizendo para ele: ‘Petit Jair, você vai para o inferno se se masturbar'”, disse.

Em outro momento da entrevista, no entanto, a escritora subiu o tom. “Há, no entanto, algumas particularidades muito claras da personalidade do senhor Bolsonaro: ele denigre o meu trabalho, então é uma pessoa sem qualquer respeito; e se sente no direito de usar o meu livro para sua autopromoção sem me consultar antes, então é uma pessoa desonesta. Não são as características que esperamos de um suposto representante da moralidade”, disparou.

Confira a íntegra da entrevista no El País.