11 de agosto de 2018, 16h53

Bala “perdida”: Paciente é alvejada com tiro dentro de hospital em Niterói

A PM do Rio de Janeiro encampou uma ação contra um baile funk em uma comunidade próxima ao hospital e houve troca de tiros com supostos traficantes; bala "perdida" entrou no hospital e atingiu cabeça de mulher de 61 anos que estava internada

Foto: Reprodução/TV Globo

Com Agência Brasil

Uma paciente de 61 anos que estava internada no Hospital Santa Martha, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, foi atingida por uma bala perdida na madrugada de hoje (11).

Segundo a Polícia Militar (PM), agentes do 12º BPM (Niterói) foram acionados pela Central 190 para verificar a ocorrência em um hospital no Beltrão, no bairro Santa Rosa. A equipe foi informada de que a vítima estava em um leito no 3º andar, quando foi atingida no rosto por um tiro, tendo sido socorrida no próprio hospital. De acordo com informações de familiares, a mulher passou por cirurgia e encontra-se em estado grave, com risco de perder a visão de um dos olhos. A ocorrência foi registrada na 77ª DP (Icaraí).

Em nota, a PM informou que durante a madrugada, policiais coibiram um baile funk, organizado por traficantes no Morro Souza Soares, comunidade próxima ao hospital. “Ao chegarem à comunidade, às 2h da manhã, as equipes foram atacadas por criminosos que, após breve confronto, fugiram, deixando para trás 40 pinos de cocaína, 36 trouxinhas de maconha e 38 vidros de lança-perfume”. A operação terminou às 3h e o material apreendido foi levado para a 77ª DP..

Policial ferido

Em outra troca de tiros, no início da manhã, policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte do Rio, foram atacados na localidade Terreirinho. Segundo a PM, houve confronto e dois PMs foram feridos.

Um foi atingido por estilhaços e já foi liberado com curativos feitos na própria UPP. O outro levou um tiro de raspão na cabeça e foi levado ao Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), onde foi atendido na emergência, medicado e está em observação, sem risco de morrer. Equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) fizeram uma operação na comunidade de manhã.