Imprensa livre e independente
26 de fevereiro de 2018, 11h57

Barroso quebra sigilo de investigados no esquema de Temer no Porto de Santos

Michel Temer é suspeito de ter favorecido, por meio de um decreto, a empresa Rodrimar; STF não revelou as identidades das pessoas físicas e empresas que tiveram o sigilo quebrado

Barroso atendeu a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) do dia 12 de dezembro – Foto: Carlo Moura/SCO/STF A situação de Michel Temer começa a se complicar. O relator do inquérito que investiga o emedebista e a edição de um decreto de maio de 2017, que mudou regras de concessões para empresas portuárias, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou, em 15 de dezembro passado, a quebra de sigilo bancário e fiscal de vários investigados nesse caso. Barroso atendeu a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) do dia 12 de dezembro. A notícia foi...

Barroso atendeu a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) do dia 12 de dezembro – Foto: Carlo Moura/SCO/STF

A situação de Michel Temer começa a se complicar. O relator do inquérito que investiga o emedebista e a edição de um decreto de maio de 2017, que mudou regras de concessões para empresas portuárias, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou, em 15 de dezembro passado, a quebra de sigilo bancário e fiscal de vários investigados nesse caso. Barroso atendeu a um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) do dia 12 de dezembro. A notícia foi confirmada pela assessoria do órgão, que divulgou que foram quebrados os sigilos de pessoas físicas e empresas, sem nominá-las. Não é possível saber se Temer é um dos alvos da medida. As informações são de Reynaldo Turollo Jr., da Folha de S.Paulo.

Além do emedebista, são investigados no inquérito dos portos o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR), Antonio Celso Grecco e Ricardo Mesquita, dono e diretor da empresa portuária Rodrimar, respectivamente. Outro possível alvo da quebra de sigilo é João Baptista Lima Filho, coronel aposentado da PM paulista e amigo do emedebista. Embora ele não conste do rol de investigados, seu nome é citado diversas vezes em relatórios da Polícia Federal no inquérito. Temer é investigado por ter beneficiado, por meio de um decreto presidencial, a empresa Rodrimar.

Veja também:  Novo presidente do BNDES tem condenação por arrombar portões de condomínio em SP

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum