Blog do Rovai

13 de março de 2016, 20h19

Claúdio Pracownik, da foto da babá, foi vice-presidente da Brasif, empresa que bancou amante de FHC

Segundo Miriam Dutra, ex-amante de Fernando Henrique Cardoso, a Brasif lhe pagou durante quatro anos 3 mil dólares por mês para ficar "exilada" na Espanha.

Cláudio Pracownik, cuja foto com sua esposa, a babá e os dois bebês viralizou nas redes sociais no dia de hoje é vice-diretor de Finanças do Flamengo.

Mas não só.

Ele também é sócio diretor do Banco Brasil Plural.

Mas antes disso, Pracownik foi  membro do Conselho de Administração da Terra Brasis Resseguros, sócio e diretor executivo da Ágora Corretora e do Banco Pactual, além de Vice-Presidente Financeiro das Empresas Brasif e Diretor de Operações do Banco Santander Brasil, Banco Bozano-Simonsen e Banco Meridional.

A Brasif é a empresa que, segundo Miriam Dutra, ex-amante de Fernando Henrique Cardoso, lhe pagou durante quatro anos 3 mil dólares por mês para ficar “exilada” na Espanha.

Miriam Dutra diz que durante aquele período não trabalhou para a empresa.

A Brasif também é a empresa que teve todos os documentos queimados num incêndio em Contagem, há três dias antes da eleição, conforme publicado neste blogue.

As informações para este post foram coletadas neste site do Flamengo.