Blog do Rovai

25 de agosto de 2011, 16h45

Cultura digital e o risco do novo ficar velho

O fantástico deste processo de interação permitido pelas novas tecnologias é de que as relações têm potencial para deixar de ser verticais e podem ser mais democráticas e horizontalizadas. Aquela história do um para muitos deixa de ser a única possibilidade, pois as redes permitem variadas falas e diferentes protagonistas.

É esse processo que tem diminuído o poder das corporações informativas e criado novos atores políticos, fazendo com que os velhos marechais da banda midiática deixem de ser os detentores da “opinião pública”.

Mas para que isso se fortaleça é preciso “estar atento e forte”, porque o risco de se fazer um discurso moderninho, mas manter a lógica e a dinâmica de sempre é imenso.

O evento que aconteceu ontem à noite no Auditório do Ibirapuera (Música: a fronteira do futuro – Criatividade, Tecnologia e Políticas Públicas), foi um exemplo disso.

A despeito da qualidade da intervenção dos debatedores, Gilberto Gil, Lawrence Lessig, Sérgio Amadeu, Ivana Bentes, Manuela D´Avila, Ronaldo Lemos, Danilo Miranda e Cláudio Prado, o formato praticamente impediu a participação do público presente e foi quase nada interativo.

Veja também:  Moro, o bocó, e Bolsonaro, o malandro, uma história....

Além disso, as entrevistas exclusivas com Gilberto Gil e Lawrence Lessig acabaram sendo antecipadas somente pelo O Estado de S. Paulo. Coincidência? Evidente que não. Decisão política. Ao invés de se privilegiar as redes ou veículos midialivristas, preferiu-se o velho periódico da família Mesquita.

Ou seja, faz-se um discurso anticorporativo, mas privilegiam-se as corporações.

Pensar que a cultura digital vai se fortalecer como alternativa real a partir de parcerias com o antigo esquema midiático é estrabismo político. É acertar na ação e errar na condução.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum