Blog do Rovai

22 de dezembro de 2017, 09h56

Quem vai ser o vice ou é o plano B de Lula para as eleições de 2018

Pelo que Lula disse na entrevista de quarta-feira e pelo que este blogueiro tem apurado, Requião não é a opção para ser seu vice.

Matéria da Carta Capital, assinada por André Barrocal, informa que uma pessoa próxima a ex-presidente Lula teria lhe dito que a operação Requião é realidade e que o ex-governador do Paraná seria o preferido do ex-presidente tanto para ser seu vice quanto para defender seu legado no caso de sua candidatura vir a ser interditada.

Roberto Requião conquistou o PT e sua militância por defender de forma vigorosa tanto o mandato da ex-presidenta Dilma quanto a legalidade no caso Lula. Além disso, é um nacionalista, comprometido com a defesa do patrimônio público, bate duro na Globo e é visceralmente contra as reformas trabalhista e previdenciária.

Ou seja, seria um candidato comprometido com a agenda de Lula. E pelo que se diz, estaria disposto a ir para o PT, porque o seu PMDB está completamente sobre o controle de uma gangue.

Ou seja, não é de fato uma alternativa ruim. Ao contrário, Requião poderia inclusive tirar um estado do bolso da direita, o Paraná, onde nas disputas presidenciais o PT costuma sofrer derrotas largas. Ainda poderia ter o apoio entusiasmado do PCdoB e quiça, do PDT de Ciro.

Veja também:  Governo Bolsonaro fala em guerra nas ruas se Lula for solto

Não duvido que numa operação dessas, Ciro não aceitasse ser seu vice. E se ele não topasse, ainda haveria Manoela, Fernando Haddad e Jacques Wagner, entre outros, para completar sua chapa. Ou seja, com qualquer um deles seria um chapão.

Mas, se Requião pode ser uma das opções de Lula para o caso de ele não poder ser candidato, pelo que Lula disse na entrevista de quarta-feira e pelo que este blogueiro tem apurado, não é a opção para ser seu vice.

Na entrevista, Lula disse categoricamente que seu companheiro de chapa não pode ser alguém maior do que ele, do ponto de vista político, tem que ser alguém de sua plena confiança e não pode ser mais velho, porque ele tem consciência de sua idade e precisa projetar uma liderança para o futuro. Requião não se encaixa neste perfil. Lula tem 72 anos, Requião tem 76.

Quem fez a pergunta sobre o vice fui eu. Num primeiro momento Lula cercou o alambrado e não respondeu. Só depois quando a repórter do Valor, Cristina Agostine, repôs a questão é que disse o que escrevi acima. Quando perguntei, citei Requião. Lula sabe que Requião não é jovem. Se disse essas três características é porque estava descartando o paranaense.

Veja também:  Moro já foi derrotado pelos fatos da Vaza Jato e não tem mais como continuar no ministério

Barroncal diz no seu texto que Zé Dirceu tem deixado circular que não apoiaria o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. É verdade. Ele tem dito isso a quase todos os seus interlocutores. Diz q ue se Haddad for o candidato do PT apoiará outro nome e que não cometerá o mesmo erro da eleição de Dilma. Que não tinha, segundo ele, condições de ser candidata a presidência.

Zé Dirceu considera Fernando Haddad alguém com o mesmo temperamento e perfil de Dilma. Nas suas palavras, burocratas e centralizadores.

A despeito de todas as especulações, entre os que de uma forma ou outra discutem os cenários de 2018 com o ex-presidente Lula, há um pacto que tem funcionado como se fosse um mantra, não discutir plano B.

O entendimento comum é de que se por algum momento Lula não estiver no centro da política, o PT e a esquerda perderão qualquer possibilidade de ir para 2018 com chances de vitória.

Lula ainda é o plano de A a Z do PT. Se alguém quiser se aproveitar da fragilidade jurídica de Lula para se consolidar como nome alternativo neste momento, vai se queimar.

Veja também:  JN, Veja e UOL sinalizam mudança de posição da mídia em relação a Moro

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum