Blog do Rovai

08 de janeiro de 2019, 11h54

Recuo na base americana mostra que quem manda no governo são os generais quatro estrelas

Este volta-atrás de Bolsonaro na questão da base americana pode significar outros "volta-atrás". Empresas estratégicas para o país, como a Petrobrás e a Eletrobras, não serão entregues da forma como deseja Paulo Guedes.

Uma nota publicada hoje na Folha de S. Paulo, assinada pelo jornalista Igor Gielow, traz os bastidores do recuo do presidente Bolsonaro em relação à instalação de uma base americana em território nacional.

Bolsonaro depois de eleito havia oferecido publicamente aos EUA esse privilégio estratégico que transformaria o Brasil definitivamente em colônia Miameira.

Além de Bolsonaro, o chanceler Ernesto Araújo, confirmou a intenção na sequência. E o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que esteve na posse do presidente no dia 1º representando Trump, bateu palmas.

Mas o Alto Comando do Exército, que reúne os generais de quatro estrelas, topo da hierarquia das Forças Armadas, deu um recado direto e reto ao atual ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva, que foi do colegiado e hoje está na reserva, os militares não topam entregar a soberania do país assim de bandeja.

Ato contínuo, o governo anunciou hoje o recuo em abrir o território nacional para a instalação de uma base americana.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Isso deixa claro que a despeito de o governo Bolsonaro parecer um animal invertebrado, ele tem uma coluna. No limite, quem dá as cartas são os milicos.

Eles permitirão todo tipo de sandice em relação a temas ideológicos, até porque concordam com essas bizarrices do tipo Escola Sem Partido, restrições a direitos das mulheres, LGBTs e negros, eliminação de terras indígenas e mesmo que um governo no ano 19 do século XXI tenha um ministério da Família.

Mas em relação a questões estratégicas que digam respeito a perda de poder, inclusive, das Forças Armadas, eles estarão ali para dizer não.

Este volta-atrás de Bolsonaro na questão da base americana pode significar outros “volta-atrás”. Empresas estratégicas para o país, como a Petrobrás e a Eletrobras, não serão entregues da forma como deseja Paulo Guedes.

Em breve, o grupo dos quatro estrelas vai começar a dizer não aos Chicagos Oldies da política econômica. E se vierem a vencer o braço de ferro, como parece natural, o governo pode se tornar mais coeso, mas ao mesmo tempo mais distante do mercado.

Se até lá a Globo já tiver entrado em guerra franca com o Bolsonarismo, o país pode entrar numa crise imprevisível.

Porque os quatro estrelas não estão para brincadeira. E na visão deles, Bolsonaro foi eleito como símbolo de uma intervenção militar. Apenas como símbolo.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais