Blog do Rovai

18 de janeiro de 2014, 15h05

Trensalão é tratado como se fosse apenas Ferrorama pelo PIG

Jornalões se contentam com a explicação de um esquema aue sangrou 1 bilhão os cofres públicos. E partem para a investigação do aluguel da casa de Genoino

 

O Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou ontem que há “fortes indícios de existência do esquema de pagamento de propina pela Siemens a agentes públicos vinculados ao Metrô de São Paulo”.

Um pouco antes disso, no dia 20 de dezembro, o governador Geraldo Alckmin demitiu Benedito Dantas Chiaradia do alto escalão do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) do Estado de São Paulo. Chiaradia, em depoimento à Polícia Federal, em novembro, havia confirmado que havia um cartel para pagamento de propinas na CPTM.

Ao mesmo tempo, os secretários citados como participes do esquema Edson Aparecido, José Anibal, Rodrigo Garcia e Arnaldo Jardim continuam todos no governo.

O jornalismo que espreme petistas perguntou ao governador Alckmin se a demissão de Chiaradia tinha relação com o fato de ele ter denunciado o esquema. E Alckmin foi “firme”: “não tem nenhuma relação. Era um cargo de confiança do próprio DAEE e ele saiu. Nenhuma relação”.

E em nota oficial depois da afirmação de Janot de ontem, o governo do estado emiti uma nota oficial dizendo que “a Corregedoria-Geral da Administração apura com rigor os fatos citados pela Siemens no acordo de leniência com o Cade”. E ponto final.

Veja também:  Moro passa pela prova do Senado, ganha fôlego, mas deixa um fio desencapado sobre os dados do Telegram

Dito isso, tudo resolvido.

Os jornalões se contentam com a explicação de um esquema que pode ter sangrado em mais de 1 bilhão os cofres públicos. E partem para a investigação do aluguel da casa de Genoino, de 4 mil reais. Ou pior, vão investigar se José Dirceu usou o celular na Papuda.

A criminalização da política é algo extremamente perigoso para a democracia. E neste sentido o PT errou demais quando colocava a denúncia como seu principal instrumento de fazer política. Mas ao mesmo tempo a forma leniente como a mídia trata os esquemas corruptos do PSDB chega a dar engulhos.

O PSDB está no governo de São Paulo desde 1994. O mesmo grupo já havia participado do governo Montoro e ficou um tempo com Quércia no poder. Só rompeu em 1989, quando formaram um partido de quadros para disputar a eleição presidencial. Mas é bom lembrar que FHC e Covas se elegeram na chapa do falecido ex-governador. E neste período, São Paulo já viveu escândalos em quase todas as áreas. Desde a revitalização do Rio Tiete, passando pelo Metrô, Sabesp, CDHU etc. E basta uma resposta do tipo “nenhuma relação” e “estamos investigando com rigor” para que tudo fique por isso mesmo.

Veja também:  Moro, o bocó, e Bolsonaro, o malandro, uma história....

O trensalão virou um Ferrorama na versão midiática. E o esquema de propinas um Banco Imobiliário. A narrativa é tão infantil e de faz de conta que não se pode imaginar que jornalistas sérios não fiquem com vergonha de assinar certas matérias.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum