14 de fevereiro de 2018, 17h28

Beija-Flor é campeã do Carnaval do Rio; Paraíso do Tuiuti fica em segundo por um décimo

Campeã e vice trouxeram para a avenida uma forte crítica política e social

Carnaval Rio 2018 - Desfile na Sapucaí - Beija-flor - Grupo Especial - Gabriel Nascimento | Riotur

No Carnaval mais politizado em anos, a escola de samba Beija-Flor de Nilópolis foi consagrada, após a apuração desta quarta-feira (14), como a grande campeã do Grupo Especial do Rio de Janeiro.

A agremiação trouxe para a avenida uma forte crítica política e social com o enredo “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”. As principais críticas foram centradas, nas alegorias e fantasias, à corrupção na Petrobras e à corrupção de governantes. O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi um dos políticos lembrados, em forma de protesto, além de sua esposa, Adriana Ancelmo, que foi representada por uma integrante da escola usando uma tornozeleira eletrônica.

Carros alegóricos também fizeram críticas à miséria da população e às balas perdidas que crianças, diariamente, são alvo no Rio de Janeiro.

Para representar a diversidade, as cantoras Pablo Vittar e Jojô Toddynho ganharam posição de destaque.

Em segundo lugar entre as melhores escolas, por uma diferença de apenas 1 décimo, ficou a Paraíso do Tuiuti, que também trouxe para a avenida uma forte crítica política e social. Sem estar entre as “grandes” do Rio de Janeiro, a agremiação surpreendeu e ousou ao representar o presidente Michel Temer como um vampiro e ironizar os “paneleiros” que, manipulados, saíram às ruas para protestar pelo impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Também marcou no desfile a crítica à “nova escravidão” através da retirada de direitos trabalhistas.

O enredo da Tuiuti, “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?”, que tratava sobre os 130 anos da Lei Áurea, foi praticamente uma aula de história sobre a escravidão no Brasil, as relações de trabalho e poder e como a elite continua escravizando trabalhadores no país.

Foto: Gabriel Nascimento/RioTur