Fui presa várias vezes por usar Niqab e… Feliciano não me representa

O FSM de Túnis está fazendo história e tem toda a pinta de que vai se tornar um ponto de virada para o evento. É certamente a melhor das últimas edições. Vibrante, politizada, alegre...

O FSM de Túnis está fazendo história e tem toda a pinta de que vai se tornar um ponto de virada para o evento. É certamente a melhor das últimas edições. Vibrante, politizada, alegre e cheia de jovens que estão sonhando com a construção de um mundo melhor neste pedaço do planeta. Não há dúvida que as flores da primavera árabe estão vivas e que este FSM é o melhor exemplo disso.

Hoje, fizemos uma entrevista que será publicada na próxima edição da Fórum com três garotas de 19 anos: Dorra Bador (a de Niqab na foto), Ben Chahla Cyrine (à esquerda) e Boudhraa Safa (ao centro).

Elas são da União Geral dos Estudantes Tunisianos (Union Générale Tunisienne des Etudiants – UGTE) e refletiram sobre as mudanças que a Tunísia está vivendo. As três defendem a revolução e acreditam que hoje a vida é muito melhor do que antes do processo que derrubou Ben Ali.

As três, como o leitor já deve ter percebido, são islâmicas e explicaram na conversa o que as leva a usar o véu e como se sentem discriminadas, principalmente Dorra Bador (de Niqab na foto), pela opção que fazem.

Na universidade, por exemplo, Dorra não pode usar o Niqab durante as aulas. E há um movimento buscando garantir isso. E o debate entre quem defende e quem é contra é bastante duro. E Impressiona a força dos argumentos delas em relação ao direito de expressar sua opção religiosa.

Num dado momento, depois de contar que no governo de Ben Ali, quando na Tunísia era proibido o uso público de Niqab,  foi presa várias vezes por andar assim na rua, disse: “Não somos terroristas, não posso ser tratada assim porque quero usar uma roupa diferente”. E continuou sua narrativa explicando que a forma como a mídia, principalmente ocidental, trata essa questão, as criminaliza.

Ao fim da conversa, expliquei às garotas (a entrevista foi feita em conjunto com a repórter Adriana Delorenzo e o amigo Américo Córdula, secretário de Políticas Culturais do MinC) que no Brasil estávamos em uma campanha contra um deputado federal cuja principal plataforma política é o preconceito e a intolerância com a diversidade. E traduzimos algumas das frases de Feliciano. Na hora  toparam, nas palavras delas, entrar na “revolução” para derrubar Marcos Feliciano. E foi dessa conversa que surgiu a foto que você vê neste post.

Além da foto, este post tem mais dois vídeos selecionados para mostrar o clima musical deste Fórum. São vídeos curtos que dão uma ideia do que está acontecendo por aqui. E só pra não dizer que não falei das flores. A gente percebeu que o texto do Feliciano não me representa em inglês tem um pequeno erro. Ao invés de don´t o correto seria doesn´t. Mas, convenhamos, o que vale é a intenção.

No artigo

4 comments

  1. Cibele Responder

    Rovai, fora de pauta, mas só pra avisar que é a segunda vez, nos últimos três dias, que tento entrar no site do Rodrigo Vianna e surge um alerta de que se trataria de um site malicioso. Os caras atormentam, hein?

    1. Vera Silva Responder

      O site do Rodrigo está mesmo com problema.
      Tentei entrar e aparece uma página para atualizar o Flash Player. Quando cliquei, foi baixado, mas o Norton avaliou e eliminou por ser o downhload inseguro. Tentei de novo e abriu para atualizar o FP outra vez.
      Tentei abir o blog, ao invés de entrar pelo RSS. Apareceu uma parte, mas sumiu e ficou tudo branco e somente este endereço: http://www.unikblog.com/…/adobe.com/?A&R=aHR0cDovL3d3dy5yb2RyaWdvdmlhbm5hLmNvbS5ici8= que é da Adobe, parece.

  2. Mariana Responder

    Ótima a foto!
    Aguardo a cobesrtura compelta do fórum na próxima revista.
    abraço

  3. Bia Barbosa Responder

    Muito bom! Que bom que deu certo a implementação da idéia da foto 😉