E se o Janot fosse o Lula e o advogado Pierpaolo o Joesley, como o Janot procederia?

O blogue faz cinco perguntas ao PGR, Rodrigo Janot, para levá-lo a imaginar o que faria com Lula se ele fosse flagrado com Joesley na mesma situação que ele e o advogado da JBS

O Procurador da República Rodrigo Janot é expert em expor, da maneira mais vil possível, a vida dos outros.

Janot e seus Curitiba boys têm até blogueiros e jornalistas de estimação, por onde vazam e vazaram quase tudo que foi investigado na Lava Janot. Incluindo a condução coercitiva de Lula, que contou com uma cobertura da Globo digna de Hollywood.

Janot pode vir a dizer que não é ele que vaza, mas sim gente próxima a ele, como o ex-procurador Marcelo Miller, que foi por muito tempo seu assessor e braço direito. E que no feriado ele denunciou e pediu a prisão por ter participado do esquema operado pela JBS.

Por conta disso e de muitas outras coisas, Janot não tem hoje a menor condição moral de fazer qualquer restrição a quem o questione sobre o flagra com o advogado da JBS, Pierpaolo Bottini, numa distribuidora de bebidas do Lago Sul, em Brasília.

E por isso elenco aqui cinco perguntas ao excelentíssimo PGR:

  1. Se o senhor recebesse uma foto do Lula nas mesmas condições que essa que circulou no feriado com o Joesley, da JBS, consideraria que aquele evento seria um indício claro de tentativa de obstrução da justiça ou daria de ombros e jogaria a foto fora.
  2. Se o Lula e o Joesley fizessem uma nota dizendo que sempre tiveram bom relacionamento e que se encontraram por acaso numa distribuidora de bebidas. E que por acaso se sentaram atrás de engradados de cerveja. E que são pessoas de bem e civilizadas etc. e tal, como o senhor se manifestaria sobre o caso no Jornal Nacional?
  3. O que o senhor diria se na foto o Lula estivesse de óculos escuros, com os braços cruzados e se na mesa com duas pessoas houvesse apenas um copo?
  4. O senhor ignoraria essa foto num processo onde o Lula tivesse tido um assessor flagrado numa operação estranha que poderia beneficiá-lo na mesma semana?
  5. Por fim, uma última pergunta, e com todo o respeito. O senhor considera que todos os brasileiros são ingênuos a ponto de acreditar nesta nota que divulgou pela PGR ou só a emitiu porque foi o que lhe restou depois da confirmação do encontro pelo advogado da JBS?

    No aguardo de suas respostas, muito respeitosamente (claro que há uma certa formalidade nisso), um blogueiro que não acredita nem em duendes, bicho papão e tão pouco em encontros casuais de 20 minutos de pessoas que não poderiam e nem deveriam se encontrar.

No artigo