Marco Aurélio, atual sócio de Zé Eduardo Cardozo, diz ter como provar serviços à JBS

Carvalho diz que já constituiu advogado e que está tomando as devidas providências legais em defesa de sua reputação e sua honra. "No meu caso vale aquela máxima, quem não deve não teme", diz.

O blogueiro conversou com o advogado Marco Aurélio Carvalho acusado por Joesley Batista, no seu último depoimento, de ter emitido notas fiscais para contratos fictícios com a JBS. Esses contratos, segundo Joesley, teriam beneficiado o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, atual sócio de Cavalho.

Marco Aurélio Carvalho diz que não só prestou serviços à empresa, como tem farto material para comprovar tudo o que fez. E que ainda teria sob sua responsabilidade quatro processos milionários envolvendo a JBS dos quais estaria abrindo mão na tarde de hoje.

“Tenho provas inequívocas da farta prestação de serviços na área tributária e consultiva prestada à empresa, com a emissão de notas fiscais e recolhimento de tributos. Repilo com veemência e indignação as informações contraditórias e atribuo estas declarações levianas à frustrada tentativa de envolver o meu atual sócio, o ex-ministro José Eduardo Cardozo, em uma sórdida e vil armadilha.”

Joesley já admitiu em depoimento que armou um jantar com José Eduardo Cardazo e o grampeou, mas que na ocasião não conseguiu extrair qualquer declaração do ex-ministro que o incriminasse.

Carvalho também destaca as contradições do depoimento de Joesley dadas agora com as que havia feito quando do acordo de delação que lhe garantiu liberdade. “No anexo 38 da sua delação original não há isso que ele está dizendo agora. Naquele documento eles dizem que nunca conseguiram qualquer coisa de mim em relação ao ministro José Eduardo Cardozo. Por que eles mudaram o depoimento agora num momento que foram presos? É essa pergunta que deveria estar sendo feita. É isso que merece reflexão.”

Carvalho diz que já constituiu advogado e que está tomando as devidas providências legais em defesa de sua reputação e sua honra. E diz estar completamente à disposição tanto para falar com a imprensa como com qualquer autoridade. “No meu caso vale aquela máxima, quem não deve não teme”, finalizou.

No artigo